Mais de 3 mil médicos aderem à greve de anestesistas em SP

Hospitais de pelo menos 23 cidades registram paralisação de 24 horas, parcial ou integral

SOLANGE SPIGLIATTI, da Agência Estado

21 Outubro 2010 | 16h00

SÃO PAULO - A greve dos anestesistas paulistas iniciada nesta quinta-feira, 21, teve a adesão de 3,5 mil a 4 mil profissionais, segundo a Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo (Saesp).

Veja também:

linkGreve atinge 90% da categoria em Sorocaba, diz CRM

Hospitais de pelo menos 23 cidades paulistas registraram a paralisação de 24 horas, parcial ou integral, da categoria. Na cidade de São Paulo, cerca de 17 hospitais interromperam o atendimento de cirurgias eletivas - não emergenciais -, de acordo com a Saesp. Os médicos reivindicam melhores condições de trabalho e de remuneração.

Segundo a entidade, funcionários de unidades como o Hospital Municipal Dr. Mário Gatti e o Hospital Municipal de São José dos Campos, no interior do Estado, e o Pérola Byngton, em São Paulo, além de instituições particulares, aderiram ao movimento. O atendimento de emergência será mantido. As secretarias Municipal e Estadual da Saúde de São Paulo afirmaram não haver informação sobre a greve.

Conforme a Saesp, os anestesistas já entraram em contato com as equipes médicas responsáveis pelas cirurgias canceladas, que negociarão a remarcação com os hospitais. As unidades devem oferecer horários extras ou nos fins de semana, ou ainda dentro do próprio quadro previsto em cada hospital, informou a entidade.

Mais conteúdo sobre:
greveSPanestesistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.