Keiny Andrade/AE
Keiny Andrade/AE

Mais de 50% dos mortos por gripe suína em SP tinham doença crônica

Portadores de doenças crônicas fazem parte de um dos grupos prioritários e devem se vacinar até 23 de abril

estadao.com.br

08 Abril 2010 | 12h13

Os portadores de doenças crônicas ainda são as maiores vítimas da gripe suína do Estado de São Paulo: 56% dos óbitos ocorridos no Estado em 2009 por influenza A (H1N1), foram de pessoas com obesidade, pneumopatias e cardiopatias. É o que aposta o levantamento realizado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria da Saúde do Estado, divulgado nesta quinta-feira, 8.

 

Veja também:

linkAnvisa vai acompanhar reações a vacina contra gripe 

linkOMS garante que a pandemia está sob controle

especialESPECIAL: Entenda a gripe suína  

 

Os portadores de doenças crônicas fazem parte de um dos grupos prioritários e devem se vacinar até 23 de abril, juntamente com gestantes e crianças com idade entre seis meses e menores de dois anos.

 

O dado demonstra a importância da vacinação para os grupos preferenciais, que devem acompanhar o calendário de vacinação. Atualmente, na terceira etapa da campanha, também devem tomar a vacina adultos saudáveis entre 20 e 29 anos. São 7,3 milhões de paulistas nesta faixa etária em todo o Estado.

 

Vacinação

 

Balanço preliminar da Secretaria aponta que, até 1º de abril, 2 milhões de pessoas já foram imunizadas contra a gripe A em todo o Estado.Só na Capital, mais de 600 mil pessoas receberam a vacina. Foram vacinados 577,2 mil trabalhadores da saúde, 659,3 mil doentes crônicos, 526,2 mil crianças com mais de seis meses e menores de 2 anos, 228,2 mil gestantes e 4,8 mil índios.

 

Durante a campanha as pessoas terão à disposição 3.800 pontos de vacinação em todo o Estado, localizados nas Unidades Básicas de Saúde, que funcionarão de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

 

Excepcionalmente, no próximo sábado, dia 10, os postos ficarão abertos no mesmo horário para que a população conte com mais uma data para a imunização. A recomendação é que as pessoas levem a caderneta de vacinação.

 

"É importante que as pessoas fiquem atentas às datas correspondentes ao seu grupo de vacinação, em especial os portadores de doenças crônicas, cujos estudos apontam como as principais vítimas no ano passado. A vacinação é indispensável", alerta o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata.

 

A campanha segue orientações da Organização Mundial da Saúde. A vacina é segura e eficaz. A única contraindicação é para quem tem alergia a ovo de galinha.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.