Mais Médicos: 300 cubanos já estão em São Paulo para treinamento

Curso de três semanas terá início na próxima segunda-feira; grupo de 150 profissionais de Cuba chegou na madrugada desta terça

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2013 | 12h31

SÃO PAULO - Mais 150 médicos cubanos selecionados pelo programa Mais Médicos desembarcaram no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na madrugada desta terça-feira, 12. Segundo o Ministério da Saúde, vão se juntar a um outro grupo de 150 profissionais que chegaram nessa segunda-feira, 11, a São Paulo vindos do país caribenho.

Os 300 profissionais, escalados para trabalhar em unidades de saúde do Estado, farão juntos o curso de formação obrigatório para os médicos intercambistas do programa (estrangeiros ou brasileiros formados exterior). O treinamento, de três semanas, terá início na próxima segunda-feira, 18.

Em seguida, os médicos passarão por uma avaliação e, se aprovados, deverão esperar a emissão do registro profissional provisório por parte do ministério para começarem a trabalhar. A data de início de atendimento e as unidades para as quais cada médico será encaminhado ainda não foram definidas.

Antes da chegada desses 300 médicos cubanos, o Estado de São Paulo já havia recebido outros 256 profissionais daquele país. Em alguns municípios, eles já estão atendendo. Em outros, como é o caso da capital paulista, eles esperam a emissão do registro.

Procurada na segunda-feira, a Secretaria Municipal da Saúde informou que já recebeu 76 profissionais cubanos, mas que apenas 15 tiveram a emissão de seus registros publicada no Diário Oficial da União. Estes devem iniciar o atendimento após receberem o documento original, o que deve ocorrer ainda nesta semana, segundo a pasta.

Em todo o País, são esperados 3 mil médicos cubanos até o final da semana. Outros 2.400 profissionais já estão no Brasil. O curso de formação será realizado ainda em Brasília, Vitória, Fortaleza e Belo Horizonte.

Mais conteúdo sobre:
Mais Médicos cubanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.