Fernando Medina/REUTERS
Fernando Medina/REUTERS

Mais Médicos é um programa de improvisações e vai ser revisto, diz futuro ministro da Saúde

Em Brasília, futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez crísticas à gestão atual e passada do programa Mais Médicos

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2018 | 20h19

BRASÍLIA - Com críticas à gestão atual e passada, o futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira, 28, que o programa Mais Médicos seria caracterizado por improvisações, "desde o dia em que foi instalado até hoje", e que vai ser revisto "como um todo". 

"Vamos aguardar o que esse governo vai concluir, porque a gente já fez reuniões. O entendimento deles começa de um jeito, depois muda. A característica do Mais Médicos é que um programa de improvisações, uma atrás da outra. Desde o dia em que foi instalado até hoje", disse. "Isso vai ter que ser revisto, esse programa. Tem inúmeras situações de distorção", afirmou o futuro ministro na sede do governo de transição em Brasília, no CCBB

Mandetta cita como exemplo de "improvisações" o fato de que o programa não tinha previsão de distrato. Sobre as supostas distorções, o futuro ministro diz que houve substituição completa do quadro de profissionais em cidades que têm Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) alto, e que, em tese, não precisariam disso, como Brasília.

Criado em 2013 na gestão da presidente Dilma Rousseff (PT), o programa tinha como um dos alicerces a parceria com o governo cubano, que mandava profissionais para o interior do Brasil. O programa foi alvo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), crítico do regime cubano, que prometeu impor uma série de medidas à continuação dos profissionais aqui, o que fez Cuba abandonar o programa

A saída de 8,5 mil médicos cubanos criou uma crise em municípios e fez com que prefeitos e secretários de Saúde se articulassem para a manutenção dos estrangeiros no País. Em 14 de dezembro, um terço dos brasileiros inscritos no programa ainda não havia se apresentado para ocupar as vagas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.