Mais Médicos vai sofrer atraso de pelo menos uma semana, afirma secretário

Segundo Mozart Sales, da Secretária de Gestão de Trabalho e da Educação na Saúde, ações judiciais impetradas por Conselhos Regionais de Medicina são o motivo do adiamento

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2013 | 15h07

RECIFE - O Programa Mais Médicos, com início programado para o dia 16, levando profissionais para locais carentes de serviços de saúde, vai atrasar pelo menos em uma semana. A informação foi dada nesta quarta-feira, 11, pelo Secretário de Gestão de Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde, Mozart Sales. Segundo ele, as ações judiciais impetradas por Conselhos Regionais de Medicina é a motivação do atraso. Segundo ele, na próxima semana, os profissionais irão entrar em contato com os procedimentos de média e alta complexidades nas capitais.

Após a entrevista, o ministro Luis Inácio Adams, da Advocacia Geral da União, informou ter protocolado recurso no Tribunal Regional Federal da 5ª Região contra a liminar concedida pela Justiça Federal no Ceará, ao Conselho Regional daquele Estado, que impede médicos estrangeiros ou brasileiros formados fora do País, sem a revalidação de seus diplomas, de atuarem.

De acordo com Adams, são 57 ações contra o programa, 25 delas de Conselhos Regionais de Medicina. Pelo Menos 20 das 25 tiveram liminar negadas. Para Adams, a ação dos Conselhos Regionais prestam um desserviço à população brasileira que aprova o programa e necessita dele. Ele destacou que o problema não prejudica os médicos brasileiros.

Tudo o que sabemos sobre:
mais médicosatraso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.