Salvatore Laporta/AP
Salvatore Laporta/AP

Mais uma construção desmorona na cidade histórica de Pompeia

Há algumas semanas, o governo italiano foi embaraçado quando uma casa ruiu

Associated Press, AP

30 Novembro 2010 | 17h28

Um pedaço do muro de um jardim que cercava uma antiga casa em Pompeia cedeu nesta terça-feira, depois de quatro dias de chuvas torrenciais. Trata-se da mais recente estrutura a desmoronar no sítio arqueológico.

 

Autoridades de Pompeia disseram que a uma inspeção determinou que a seção de 12 metros de comprimento do muro que compunha o perímetro de um jardim perto da Casa do Moralista cedeu em diversos pontos. Eles disseram que a umidade extrema do solo trouxe o muro abaixo numa área que ainda não havia sido escavada, perto da casa.

 

A Itália está lutando para preservar sua riqueza arqueológica.

 

Há algumas semanas, o governo italiano foi embaraçado quando uma casa com afrescos, a Schola Armatarum, onde gladiadores preparavam-se para combate, foi reduzida a uma pilha de escombros. Há menos de um ano, outro edifício, a Casa dos Amantes Castos, ruiu em Pompeia.

 

A Casa do Mroalista não foi afetada pela queda do muro e não corre risco, disse o diretor de escavações de Pompeia, Antonio Varone.

 

A Schola e a Casa do Moralista ficam a poucos metros de distância, ao longo de uma das principais ruas de Pompeia, que normalmente estão repletas de turistas.

 

A Casa do Moralista inclui os vestígios de lares de duas famílias da cidade antiga, que foi sepultada por uma erupção do Vesúvio, no ano 79. É uma das muitas estruturas vetadas aos turistas, e ninguém se feriu no desmoronamento.

Mais conteúdo sobre:
arqueologiapompeiaitália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.