Malária mais do que dobra em Manaus na comparação com 2009

Para os responsáveis pelo controle da doença, a explicação principal está no aumento das invasões em igarapés

Liege Albuquerque, da Agência Estado,

11 Fevereiro 2010 | 18h53

Os casos de malária em Manaus aumentaram 106% em relação ao mesmo período do ano passado. Em janeiro deste ano foram registrados 1.709 casos da doença, contra 831 no mesmo período de 2009.

 

MT conforma três mortes por malária em 10 dias

 

Para os responsáveis pelo controle da doença no município e Estado, a explicação principal está no aumento no número de invasões nos extremos das zonas norte, leste e oeste, onde os igarapés na mata virgem e os charcos produzidos pelo período de chuvas fazem o hábitat ideal para o mosquito Anopheles.

 

São mais de 40 mil pessoas, na estimativa da prefeitura, morando em palafitas em cima de igarapés, em casas de lona, papelão e palha nos arredores de Manaus, em invasões sem infraestrutura. "Foram somados esforços de Estado e município durante todo o ano passado e houve redução de 18% no número de casos de 2009, em relação ao mesmo período do ano anterior", diz o diretor da Fundação de Vigilância Sanitária no Amazonas, Bernardino Albuquerque.

 

"Mas estes casos, somado ao problema das invasões, agravado em ano eleitoral, também são em número maior em janeiro, por conta do aumento das chuvas", destaca o coordenador de controle de malária e dengue na capital, Anderson Sampaio. Segundo Albuquerque, depois do carnaval, uma remessa de mil mosquiteiros impregnados com inseticidas serão distribuídos nas casas das invasões de sem-teto.

 

"Infelizmente chegamos para fazer o fumacê (borrifação de inseticida) e há casas sem paredes, sem proteção alguma", conta Sampaio. Também serão iniciadas limpezas emergenciais nos igarapés, começando, segundo a prefeitura, no igarapé da Ponte da Bolívia, na zona oeste da capital. 

 

A malária é causada por protozoários do gênero Plasmodium, transmitidos ao homem pela picada de mosquitos do gênero Anopheles. Os principais sintomas são febre, calafrios, dores de cabeça e pelo corpo, cansaço, palidez e falta de apetite. A doença pode evoluir para quadros mais graves, mas pode ser tratada com sucesso se for detectada precocemente.

Mais conteúdo sobre:
maláriaamazonasmanaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.