REUTERS/Mariana Greif
REUTERS/Mariana Greif

Média diária de mortes por covid-19 no Brasil volta a ficar acima de 2 mil após 37 dias

Número ficou em 2.007, o maior desde 10 de maio, quando o dado estava em 2.087. O registro desta quarta-feira é 8% maior na comparação com o patamar de duas semanas atrás. Infecções também seguem em alta

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2021 | 20h01

A média diária de mortes provocadas pela covid-19 no Brasil voltou a ficar acima de dois mil após 37 dias, segundo dados reunidos e divulgados nesta quarta-feira, 16, pelo consórcio de veículos de imprensa. O número ficou em 2.007, o maior desde 10 de maio, quando o dado estava em 2.087. Segundo especialistas, o ritmo insuficiente da vacinação, aliado ao relaxamento precoce das medidas de distanciamento social, contribuem para o País ter uma nova alta de infectados.   


Essa média leva em consideração os registros dos últimos sete dias para melhor entender a tendência da curva de óbitos, que desde o fim de abril vinha em queda. Foram 51 dias consecutivos de redução no indicador. Nos últimos seis dias, no entanto, os números voltaram a crescer. O dado desta quarta-feira é 8% maior na comparação com o patamar de duas semanas atrás.

Nas últimas 24 horas, o País registrou 2.673 novos óbitos pela doença, o que fez o total chegar a 493.837, segunda maior quantidade do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. O maior número absoluto de vítimas nesta quarta-feira foi registrado em São Paulo, onde 795 pessoas morreram. Em Minas, a quantidade de óbitos ficou em 353. Paraná (294), Rio (234), Ceará (177), Rio Grande do Sul (130) e Bahia (119) foram Estados cujo patamar de mortes ficou acima de uma centena nas últimas 24 horas. 

Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. 

O levantamento apontou 85.861 novos casos confirmados da doença nesta quarta-feira. O total de testes positivos chegou a 17.629.714. A média diária de novos casos ficou em 72.051, o que representa uma alta de 10% em relação ao dado de 14 dias atrás; é a sexta alta consecutiva desse indicador.  Segundo o Ministério da Saúde, o País tem 16.030.601 pessoas recuperadas da doença e 1.104.294 em acompanhamento médico.

Apesar do quadro ainda de descontrole da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro defendeu na semana passada flexibilizar a exigência de máscaras no País. A medida foi criticada pelos especialistas, que apontam a necessidade da proteção no rosto mesmo entre os vacinados, diante do alto número de casos no Brasil. Também na última semana, a Fiocruz apontou um cenário de alto risco, com ocupação de UTIs acima de 80% em 20 Estados e no Distrito Federal. 

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde 8 de junho do ano passado, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Tudo o que sabemos sobre:
Ministério da Saúdecoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.