EFE/ Marcelo Oliveira
EFE/ Marcelo Oliveira

Média móvel de mortes diárias por covid chega a 2.598, recorde do País na pandemia

País já tem 312.299 óbitos e 12.532.634 casos confirmados pela doença, segundo levantamento do consórcio dos veículos de imprensa

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 20h02

O Brasil registrou 1.605 novas mortes pela covid-19 neste domingo, 28. A média móvel de vítimas para os últimos sete dias, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 2.598, recorde de toda a pandemia. 

O número de novas infecções notificadas foi de 43.402. No total, o Brasil tem 312.299 mortos e 12.532.634 casos da doença, a segunda nação com mais registros, atrás apenas dos Estados Unidos. Em março, o País se tornou o líder no mundo de novos casos e óbitos, o que evidencia o agravamento da pandemia.

Os dados são do consórcio de veículos de imprensa, formado por Estadão, G1, O GloboExtraFolha e UOL, com base nas estatísticas das 27 Secretarias Estaduais da Saúde.

 

Com transmissão descontrolada do vírus, o País tem visto o colapso de várias redes hospitalares, com morte de pacientes na fila por leito e falta de remédios para intubação.

Governadores e prefeitos têm recorrido a restrições ao comércio e até ao lockdown para frear o vírus. Já o presidente Jair Bolsonaro continua como forte crítico das medidas de isolamento social, recomendadas por especialistas, e afirma temer efeitos negativos na economia.

Segundo os dados compilados pelo Ministério da Saúde, foram registrados neste domingo 44.326 novos casos e mais 1.656 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 12.534.688 pessoas infectadas e 312.206 óbitos.

Do total de contaminados desde o início da pandemia, o órgão aponta 10.912.941 recuperados. Os números são diferentes dos divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.