Medicamento único poderia tratar várias doenças cerebrais

Cientistas britânicos conseguiram cessar a degeneração das células do cérebro de ratos com remédio

BBC

07 de maio de 2012 | 10h56

Pesquisadores britânicos já estudam a possibilidade de usar um mesmo medicamento para combater uma série de doenças que afetam o cérebro, como o mal de Alzheimer e o mal de Parkinson. Em um estudo publicado na revista Nature, eles afirmam ter cessado a degeneração cerebral de ratos de laboratório e dizem que o mesmo procedimento pode ser aplicável a humanos.

 

Várias doenças degenerativas resultam da composição de proteínas mal formadas. Os pesquisadores da Universidade de Leicester o que causava a má formação nos ratos e como ela matava as células cerebrais. Eles mostraram que conforme os níveis de proteínas defeituosas se elevam, as células tentam cessar a produção de todo tipo de novas proteínas.

 

É o mesmo mecanismo usado pelas células quando há uma infecção de vírus - interromper a produção de proteínas interrompe a disseminação do organismo. Mas "desligar" o sistema por um longo período acaba por prejudicar as células cerebrais, que também param de produzir as proteínas das quais necessitam para funcionar.

 

A equipe então tentou manipular a interrupção de proteínas. Quando conseguiram impedir as células de "desligar", evitaram que o cérebro de degenerasse. Nesses casos, os ratos viveram significativamente mais.

 

A pesquisadora Giovanna Mallucci explica que "a chave do processo é a interrupção da produção de proteína. A proteína em si é ignorada e é isso que torna o estudo relevante". A ideia, que ainda não foi testada, é saber se o a prevenção do desligamento pode prevenir doenças priônicas - causadas por proteínas defeituosas.

 

"O que o processo nos dá é um caminho, ou seja, um tratamento que pode ter benefícios ante várias doenças. A ideia ainda está em seus estágios iniciais. Ainda precisamos confirmar esse conceito em outros distúrbios", afirma a pesquisadora. 

Tudo o que sabemos sobre:
AlzheimerParkinsonsaúdevidacérebro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.