Keiny Andrade/AE
Keiny Andrade/AE

Medicamentos serão rastreados desde a fabricação até a venda

Primeira ação será colocar leitores de autenticidade de produtos nas 65 mil farmácias brasileiras

Agência Brasil

11 Junho 2010 | 16h51

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) começa a implantar neste mês o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos. A primeira ação será a colocação de leitores de autenticidade de medicamentos nas 65 mil farmácias brasileiras.

 

Os aparelhos começam a ser instalados na próxima terça-feira, 15. Foi o que afirmou o diretor adjunto da Anvisa, Pedro Ivo, na última quinta, 10, durante o 2º Fórum Nacional Sobre Rastreabilidade de Medicamentos e Combate à Falsificação e Contrabando no Brasil.

 

"O cronograma de implantação do sistema prevê até três anos. Começaremos pela implantação dos leitores de autenticidade. A falsificação de medicamentos prejudica toda a população, seja pela falta de efeito do produto falsificado, seja pela sua toxicidade, que pode levar até a morte", explicou.

 

A Casa da Moeda do Brasil será responsável pelo sistema de rastreamento dos medicamentos, desenvolvendo a tecnologia, produzindo os leitores e controlando a distribuição dos aparelhos e das etiquetas autoadesivas. Os medicamentos devem estar com as etiquetas com código de identificação a partir de 15 de julho.

 

As etiquetas serão feitas com tinta sensível a metal. Com o rastreamento, o produto será acompanhado desde a fabricação até a venda ao consumidor, por meio de código bidimensional com informações que serão lidas por um equipamento específico.

 

Também presente ao evento, o senador Romeu Tuma (PTB-SP) ressaltou a necessidade de se fazer um trabalho educativo com o consumidor para que ele tenha consciência dos riscos que corre quando compra um produto contrabandeado.

 

"O mais importante, hoje, é conscientizar a população. A Anvisa precisa estabelecer normas para as farmácias orientarem os usuários na hora de consumir um medicamento. O consumidor, muitas vezes, adquire o remédio sem saber dos efeitos colaterais", observou.

 

Segundo dados da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), o mercado movimenta U$ 724,5 bilhões por ano e a América Latina é um das regiões onde o setor mais cresce. À medida que o mercado se expande, aumenta também a contravenção. "Na América Latina, Sudeste da Ásia e África, mais de 30% dos medicamentos são falsificados. As populações mais desassistidas são as maiores vítimas", destacou Tuma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.