Médico francês descobre proteína que combate o Alzheimer

Descoberta também poderá servir para identificar a doença com 10 a 15 anos de antecedência

Efe,

27 Janeiro 2010 | 08h25

O médico francês Étienne-Émilie Baulieu anunciou nesta terça-feira, 26, a descoberta de uma proteína para combater o mal de Alzheimer, assim como outros tipos de demência senil. A descoberta, anunciada na academia francesa de medicina e publicada na revista da academia americana, pode ser utilizado também para fazer um diagnóstico precoce da doença.

 

Veja também:

linkOndas do telefone celular poderiam reverter o alzheimer 

 

O médico, de 83 anos e pai da chamada pílula do dia seguinte, usada para evitar gravidez indesejada, disse que descobriu uma proteína encontrada de forma anômala nos casos de Alzheimer, e outra que destrói a primeira.

 

Baulieu explicou que, potencializando esta segunda proteína, é possível chegar a um medicamento que freie o desenvolvimento da doença.

 

Embora tenha assegurado que ainda está longe de poder curar a doença, o pesquisador assegurou que a descoberta pode servir para identificá-la com 10 a 15 anos de antecedência.

 

Ele disse que será possível ter um perfil mais claro do funcionamento destas proteínas em dois a três anos, e que, segundo diversos analistas, será possível curar a doença em outros dez.

 

Nos próximos meses será feita uma experiência no hospital Charles Foix de Ivry, nos arredores de Paris e especializado em geriatria.

Mais conteúdo sobre:
proteinacombateAlzheimer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.