Médico infectado com Ebola em Nova York é curado

Craig Spencer terá alta nesta terça; ele contraiu o vírus na Guiné, enquanto ajudava os Médicos Sem Fronteiras a tratar os doentes

O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2014 | 21h35

O médico Craig Spencer, infectado com Ebola e hospitalizado em Nova York desde o dia 23 de outubro, se curou e ganhará alta na terça-feira, anunciaram nesta segunda, 10, autoridades da cidade. 

"Depois de um rigoroso tratamento e testes, o médico Craig Spencer - o paciente admitido e diagnosticado com Ebola no hospital Bellevue - foi declarado livre do vírus", destacou o Departamento de Saúde da prefeitura de Nova York em um comunicado.

"O doutor Spencer não impõe nenhum risco à saúde pública e terá alta do hospital amanhã, 11 de novembro", completa o texto.

Spencer, o prefeito Bill de Blasio e outras autoridades da cidade compareceram em coletiva de imprensa pela manhã. O médico só fará uma declaração e não responderá a perguntas.

Spencer, de 33 anos, contraiu o vírus na Guiné enquanto ajudava os Médicos Sem Fronteiras (MSF) a tratar os doentes. Ele havia melhorado nos últimos dias, mas permanecia isolado e sob tratamento, segundo o último comunicado divulgado pelas autoridades na quarta passada.

Na mesma data, as autoridades anunciaram, além disso, que uma pessoa que tinha estado em contato com Spencer e havia sido colocada em quarentena como medida preventiva recebeu alta.

O caso de Spencer era o único que estava sendo tratado atualmente nos Estados Unidos, onde foi registrada até o momento uma vítima fatal do vírus: Thomas Eric Duncan, um liberiano que morreu no hospital em Dallas, Texas, no dia 8 de outubro.

Segundo os últimos dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a epidemia de Ebola deixou até o momento quase 5 mil mortos em oito países - a maioria na Libéria, Serra Leoa e Guiné. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Mais conteúdo sobre:
Ebola Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.