Médico terá de aplicar teste ergométrico

Resolução do Conselho Federal de Medicina publicada nesta sexta-feira, 27, no Diário Oficial determina que o exame ergométrico, usado para avaliar a resposta do organismo a exercícios e identificar problemas cardíacos, terá de ser presenciado, durante todo o tempo, por médicos. "Os exames perderam em muito a qualidade e, pior, os acidentes durante sua realização estão aumentando", afirma o diretor científico do Departamento de Ergometria e Reabilitação Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Nabil Ghorayeb.

Lígia Formenti / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2013 | 02h06

Segundo Ghorayeb, o fenômeno que ocorre com os testes ergométricos é semelhante ao identificado há alguns anos com as anestesias: um médico era responsável por acompanhar, simultaneamente, três ou quatro pacientes. "Se dois passam mal ao mesmo tempo, quem ele vai socorrer?"

Primeiro passo para a prescrição de exercícios físicos, o teste ergométrico tem de ser precedido por uma consulta médica. "De certa forma, o exame expõe o paciente a riscos. O médico tem de estar lá, para saber o limite de esforço a que ele pode submeter o paciente", afirma Gorayeb. Muitas vezes, esse limite não é atingido ou é perigosamente ultrapassado.

Mortes. De acordo com as estatísticas, uma em cada 10 mil pessoas que fazem o teste morre. "É um evento raro, mas que tem de ser considerado", defende o médico. Quando o exame é malfeito, há maior risco de o resultado não identificar uma eventual contraindicação para o exercício físico.

Tudo o que sabemos sobre:
teste ergométrico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.