Médicos chineses usam medicina tradicional para curar a gripe

Hospital de Pequim usou ervas com sucesso em 88 de seus 117 pacientes; técnica seria segura e mais barata

Efe,

24 Julho 2009 | 11h20

Médicos do hospital Ditan, em Pequim, disseram a jornalistas locais e estrangeiros que usaram a medicina tradicional chinesa para curar 88 dos 117 pacientes afetados pela gripe suína que aceitaram se submeter a esse tipo de tratamento.

 

Veja também:

link OMS diz que gripe suína já matou cerca de 800 pessoas

link Mortes causadas pela gripe suína sobem para 34 no Brasil 

link Gripe suína pode causar convulsão em crianças, dizem EUA

link Reino Unido registra 100 mil novos casos de H1N1 em 1 semana

link Exportação de vacina H1N1 pode gerar disputa internacional 

 

Segundo Wang Yuguang, responsável pelo hospital, dos 297 casos confirmados da gripe atendidos no local, 88 foram tratados com ervas, em um tratamento que "não provoca efeitos colaterais e é seguro".

 

Wang disse que o período de recuperação do paciente com o uso da medicina tradicional chinesa é menor, assim como o custo, de 12 iuanes (1,30 euro), em comparação com o preço do remédio Tamiflu, 56 iuanes (5,80 euros).

 

"Além disso, a vantagem é que os médicos podem receitar combinações de ervas diferentes de acordo com o estado de saúde de cada indivíduo", especificou Wang.

 

Desde o dia 15 de maio, os responsáveis do hospital Ditan, um dos designados para tratar os pacientes da gripe na China, começaram a utilizar uma combinação de medicina tradicional e Tamiflu em um paciente.

 

Ao comprovar a efetividade do tratamento, passaram a utilizar apenas as ervas com os pacientes que chegaram depois.

 

No entanto, Sha Dahai, do Hospital de Medicina Tradicional Chinesa do distrito de Chaoyang de Pequim, disse à Agência Efe que o uso desse tipo de técnica é mais efetivo nos estágios iniciais da doença por causa de seu cunho preventivo.

 

Até agora, a China registrou 4.018 casos da gripe, sendo que a maioria dos pacientes contaminados pelo vírus A(H1N1) já recebeu alta.

 

A primeira morte em decorrência da doença foi registrada neste mês em Hong Kong. A vítima foi um homem de 42 anos.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.