Médicos cubanos vão atender em favelas do Rio

A partir da próxima semana, 65 profissionais serão distribuídos em regiões das zonas norte e oeste da cidade

Clarissa Thomé - O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2013 | 12h08

Favelas das zona norte e oeste do Rio de Janeiro começam a receber, na semana que vem, médicos cubanos inscritos no programa Mais Médicos. Nesta segunda-feira, 4, os 65 profissionais se apresentam às coordenações das áreas, onde assistem a palestras e participam de reuniões. Eles ainda esperam registro do Ministério da Saúde para começarem a trabalhar.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, 31 médicos serão distribuídos por 18 unidades de atenção primária na zona norte, região em que estão algumas das favelas mais violentas da cidade, como Complexo do Alemão, Jacarezinho e Complexo da Maré (esta última ainda não tem Unidade de Polícia Pacificadora). Outros 34 profissionais seguirão para 22 postos da zona oeste da cidade, nos bairros de Realengo, Cosmos e Costa Barros.

Em nota, a secretaria informou que "o critério de lotação não é por área de risco, mas pela vulnerabilidade social (são todas áreas carentes) e dificuldade de lotação de profissionais, por motivos diversos. Algumas unidades que receberão esses profissionais são dentro de favelas, outras não, mas todas atendem a comunidades carentes".

Mais conteúdo sobre:
Mais Médicosmédicos cubanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.