Médicos da Unifesp protestam contra condições 'precárias'

Residentes reivindicam a garantia da oferta de insumos usados em tratamentos; categoria está em greve há nove dias

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

01 Julho 2015 | 23h23

BRASÍLIA - Médicos residentes do Hospital São Paulo, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), fizeram nesta quarta-feira, 1º, uma manifestação contra as condições precárias da instituição. 

Em greve há nove dias, integrantes do maior programa de residência médica do País reivindicam a garantia da oferta de insumos usados no tratamento de pacientes, como medicamentos e material para realização de exames de imagem e mudanças na lógica para realização da triagem de pacientes.

"A ideia era entregar um documento para o ministro da Saúde pessoalmente", contou o presidente da associação de residentes (Ameresp), Diego Garcia. A previsão era a de que o ministro participasse de um evento na Unifesp, realizado nesta quarta. 

Por problemas de agenda, no entanto, o debate foi feito por meio de uma videoconferência. No início da noite, o Ministério da Saúde divulgou nota afirmando que o hospital já recebeu este ano um adicional de R$ 24 milhões. De acordo com Chioro, os repasses federais destinados ao Hospital São Paulo estão e continuarão regulares. 

Mais conteúdo sobre:
Hospital São PauloUnifesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.