Médicos e dentistas ameaçam boicote a planos de saúde nesta quinta

Insatisfeitos com a remuneração, profissionais podem deixar de atender pacientes eletivos de operadoras

Fernanda Bassette, Estadão

23 de abril de 2013 | 23h06

Atualizado às 10h48

Insatisfeitos com a relação com operadoras de saúde, médicos, dentistas e fisioterapeutas vão suspender o atendimento eletivo de clientes de planos nesta quinta-feira, 25, em pelo menos nove Estados, incluindo São Paulo. A paralisação é reflexo de uma pesquisa que mostra que 89% deles sofrem interferência dos planos, o que prejudica o atendimento.

Os médicos já fizeram outras três paralisações nos últimos dois anos, mas é a primeira vez que dentistas e fisioterapeutas integram o movimento. Em São Paulo, o protesto será na Avenida Paulista – 10 mil bexigas pretas vão simbolizar o descontentamento. Para a pesquisa, a Associação Paulista de Medicina (APM) consultou 4.887 profissionais.

Os resultados atestam a insatisfação: 83% dizem já ter tido pacientes que precisaram recorrer ao SUS ou ao atendimento particular por obstáculos impostos pelos planos, 85% afirmam que já se descredenciaram ou pretendem deixar a rede suplementar e 65% relataram ter reduzido o número de procedimentos ou cirurgias por causa dos baixos honorários.

“Os médicos estão sob pressão, pois prescrevem os procedimentos, mas os planos impõem obstáculos”, afirmou Florisval Meinão, presidente da APM, referindo-se especialmente aos procedimentos de alta complexidade.

Lista de atendimento das operadoras nos Estados*

- Haverá suspensão do atendimento:

Bahia

Distrito Federal

Goiás

Minas Gerais

Piauí

Rio Grande do Sul

Rondônia

São Paulo

Sergipe

- Realizarão atos públicos ou outras atividades:

Alagoas

Amapá

Amazonas

Ceará

Espírito Santo

Maranhão

Pará

Paraíba

Paraná

Pernambuco

Rio de Janeiro

Roraima

Santa Catarina

Tocantins

*Informações repassadas pelas entidades médicas regionais.

Em nota, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) se posicionou oficialmente sobre a questão:

"A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) adotou uma série de medidas inéditas para tornar mais rígido o monitoramento das operadoras de planos de saúde com objetivo de melhorar o atendimento do cidadão aos serviços contratados. Desde 2012, as operadoras de planos de saúde têm de cumprir regra de tempo máximo para marcar consultas, exames e cirurgias. Ao longo do ano passado, 396 planos de 56 operadoras tiveram suas vendas suspensas temporariamente por não cumprirem os prazos. Esse acompanhamento é feito continuamente a cada três meses pela ANS.

Além das suspensões, as operadoras estão sujeitas a multas de R$ 80 mil a R$ 100 mil. Em casos de reincidência, podem sofrer medidas administrativas, como suspensão da comercialização de parte ou da totalidade dos seus planos de saúde e decretação do regime especial de direção técnica, inclusive com afastamento dos dirigentes.

Outra medida importante é que, agora, as operadoras de planos de saúde são obrigadas a justificar, por escrito, em até 48h, o motivo de ter negado autorização para algum procedimento médico, sempre que o usuário solicitar. Cada vez que deixarem de informar a cláusula do contrato ou dispositivo legal que explique a negativa serão penalizados em R$ 30 mil. A medida, anunciada este ano, começa a ser aplicada em 7 de maio."

Tudo o que sabemos sobre:
Saúdeplanos de saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.