Médicos estrangeiros são apresentados a ervas medicinais em Pernambuco

'A cada dia vou apresentar uma nova planta', disse tutor do Mais Médicos, destacando que esta atividade é extracurricular

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2013 | 15h28

VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - Os médicos estrangeiros que recebem treinamento em Pernambuco começaram a ser apresentados nesta quarta-feira, 28, às ervas medicinais utilizadas no Nordeste. Depois de dar aula acerca das desigualdades do Brasil, com informações do período colonial, formação da sociedade brasileira, processo de urbanização e desafios das políticas públicas, o professor Rodrigo Cariri distribuiu galhos de erva cidreira entre os 115 profissionais - 96 deles cubanos.

Em um clima de descontração, os galhos passaram de mão em mão, as folhas foram cheiradas e alguns brincaram utilizando a planta como fazem as benzedeiras para afastar mau olhado, batendo nos ombros.

"A cada dia vou apresentar uma nova planta", informou Cariri, ao observar que esta atividade é extracurricular. "Nesta quinta-feira  será a vez do mastruz". A erva cidreira tem poder calmante e o mastruz é recomendado principalmente para problemas respiratórios.

Os cubanos também costumam usar ervas medicinais como complemento de tratamentos, mas não conhecem as plantas brasileiras. Segundo o médico cubano Roberto Fernandez, no seu país se faz uso, por exemplo, do "Romerito" e do orégano como expectorante e do "tilo" para os nervos.

"Há uma identificação cultural", observou a médica cubana Nilia Hernandez, ao afirmar que ainda há pessoas no seu país que associam um outro tipo de plantas a crendices e são usadas pelas "rezadeiras".

Nesta sexta-feira, 30, os médicos estrangeiros visitarão unidades de saúde no Recife, Jaboatão dos Guararapes e Vitória de Santo Antão, ambos na região metropolitana. Eles vão se limitar a conversar com as equipes e os pacientes, sem fazer consultas. O curso, iniciado no dia 26, terá duração de 21 dias, e aborda língua portuguesa e protocolos de saúde brasileiros.

Tudo o que sabemos sobre:
Mais Médicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.