Médicos fazem paralisação na Bahia

Sindimed estima que cerca de 30 mil profissionais estejam em greve

Marcela Gonsalves, da Central de Notícias,

03 Maio 2011 | 16h18

São Paulo, 3 - Parte dos médicos da rede estadual de saúde da Bahia iniciaram paralisação por tempo indeterminado nesta terça-feira, 3. Apenas os serviços de caráter emergencial não foram suspensos e, segundo a Secretaria da Saúde, os hospitais funcionam normalmente. O Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed) estima que cerca de 30 mil profissionais estejam paralisados.

O vice-presidente do Sindimed, Francisco Magalhães, afirmou que a greve acontece em razão das condições da rede de saúde. Problemas no atendimento e com a superlotação são constantes, segundo ele. Entre as exigências do movimento estão a urgência da melhoria das condições de trabalho no que se refere à precarização dos contratos, aos baixos salários e ao cumprimento da lei que instituiu o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimento.

Nesta segunda-feira, o secretário da saúde Jorge Solla realizou uma reunião para tentar impedir a greve. Ele listou benefícios já concedidos pela secretaria, como a incorporação da insalubridade para mais de 16 mil trabalhadores, a contratação de novos trabalhadores, a aceleração dos pedidos de aposentadoria por tempo de serviço, as melhorias das condições de trabalho nas unidades de saúde e os investimentos feitos na formação, capacitação e qualificação dos servidores. A categoria, porém, afirma que não há previsão para o término da paralisação.

Mais conteúdo sobre:
paralisação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.