ARQUIVO PESSOAL
ARQUIVO PESSOAL

Medo da febre amarela faz paulistas evitarem viagens

Casos no norte do Estado assustam e até agências de turismo já registram queda na procura por passeios

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

04 Fevereiro 2017 | 03h00

SOROCABA - O medo da febre amarela está levando pessoas não vacinadas a evitarem viagens para a região norte do Estado de São Paulo, onde foram registrados casos da doença. Duas pessoas morreram este ano após contrair a doença em Américo Brasiliense e Batatais. As vítimas não tinham saído dessa região, indicando a circulação do vírus nas cidades. Exames em macacos encontrados mortos nas regiões de Ribeirão Preto, Franca, São José do Rio Preto e Barretos confirmaram a febre amarela.

Com receio de pegar a doença, o representante comercial Abílio Rosa Netto, de 34 anos, de Sorocaba, excluiu temporariamente a região de Batatais, que ele atende, do seu roteiro de viagens. Ele tinha atendimentos agendados na semana passada, mas não viajou para lá por não ter tomado a vacina. Netto não quer se arriscar. "Peguei dengue no início de 2016 e foi muito complicado, fiquei mais de uma semana de molho." Na segunda-feira, ele foi a um posto de saúde em Sorocaba, mas a vacina tinha acabado. "Enquanto não estiver vacinado, só vou atender as regiões onde não tem a doença."

A professora de Educação Física Sandra de Andrade, de Sorocaba, tinha a opção de passar o carnaval em Brotas, no centro norte do Estado. O município está em área de risco para a febre amarela. Sandra, que não tomou a vacina, nem pretende tomar, decidiu passar os cinco dias visitando cavernas no Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira, em Apiaí, região que não tem a doença. "Não tomo nem aspirina, vou colocar um vírus no meu corpo? Quando tomei a vacina da gripe, passei muito mal e continuo pegando gripe." Ela conta que as amigas "pegaram no pé", mas tem certeza de que estará mais segura. "Para passar a doença é preciso ter mosquito contaminado e para onde vou, embora seja floresta, não houve casos de macacos mortos."

Agências de viagens já registram queda na procura pela região norte de São Paulo. De acordo com o agente Marcelo Fernandes, da Toda Turismo, de Sorocaba, a venda de pacotes para Brotas e o circuito de águas termais de Olímpia, na região de Barretos, caíram muito. "Não está havendo procura da forma esperada nesta época, o que só pode ser atribuído a essa questão da febre amarela", disse. O agente de viagens Daniel Rodrigues, da Claritur Turismo, de Itu, disse que as pessoas estão escolhendo roteiros fora das áreas críticas para a doença. "Mesmo assim, nós recomendamos que se vacinem."

Em seu site oficial, a prefeitura de Brotas publicou um alerta sobre a febre amarela, com a recomendação do Ministério e do Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado aos praticantes de turismo de aventura para proceder a atualização da vacina dez dias antes da viagem às áreas de risco. No entanto, afirma que a cidade não tem o vírus. "Informamos que não há registro de casos de febre amarela no município de Brotas há mais de 20 anos, segundo dados oficiais."

Brasileiros que vivem no exterior também se preocupam com o retorno ao interior de São Paulo para visitar parentes. A brasileira Nayara Thomé, de 21 anos, que mora em Cidade do Panamá, e deve viajar para o Brasil, com o marido, que trabalha naquele país, em março próximo, está preocupada. "Ainda não tomamos (a vacina), mas agora é obrigatório. Uma família de amigos que foi passar as férias na Bahia, foi barrada no aeroporto quase não conseguiu embarcar para cá na semana passada."

A mulher, Eliane Barbosa, publicou o drama em sua página no Facebook, com um alerta. "Precisa da vacina de febre amarela (com o comprovante de que tomou). Avisem familiares que querem visitar o Panamá." Nayara tem família na região de Sorocaba, onde ainda não surgiram casos da doença, mas pretende viajar pelo interior. "Estamos pensando em tomar a vacina aqui para não ter problemas na viagem."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.