Medo de gripe põe o único porco do Afeganistão de quarentena

Visitantes do zoológico de Cabul tiveram medo de que o animal pudesse transmitir a doença, diz administrador

Reuters,

05 Maio 2009 | 19h06

O único porco conhecido do Afeganistão foi trancado em um quarto, longe dos visitantes do zoológico de Cabul, onde ele normalmente se alimenta ao lado de cervos e cabras, porque as pessoas temem que ele possa infectá-las com o vírus da doença que ficou conhecida como gripe suína.

 

Veja também

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde  

 

O porco é uma curiosidade no Afeganistão, um país de maioria muçulmana onde carne de porco e derivados são ilegais, por serem considerados contrários à religião, e está de quarentena desde domingo, depois que visitantes expressaram o temor de que ele pudesse espalhar a Noca cepa de gripe.

 

"Por enquanto o porco está de quarentena, construímos para ele um quarto por causa da influenza suína", disse o diretor do zoo de Cabul, Aziz Gul Saqib. "Fizemos isso porque as pessoas estão com medo de pegar a gripe".

 

No mundo, mais de mil pessoas foram infectadas pela doença, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) que contabiliza 30 mortes. Todas as mortes, menos duas, ocorreram no México.

 

Não há criações de porcos no Afeganistão, e nem voos comerciais regulares entre Cabul e o México.

"Entendemos isso, mas a maioria das pessoas não tem conhecimento suficiente. quando veem o porco na jaula ficam preocupadas e e acham que podem ficar doentes", disse Saqib.

 

Pobre e desolado, o zoo de Cabul é muito diferente dos zoológicos do mundo desenvolvido. Mas, ainda assim, mostra-se recuperado desde que sofreu na frente de batalha da guerra civil afegã, de 1992 a 1994.

 

Na época, combatentes comeram os cervos e coelhos, e mataram a tiros o único elefante. Bombas acabaram com o aquário.

 

Um combatente entrou na jaula do leão mas foi morto no mesmo instante pelo felino Marjan, o morador mais famoso do zoo. O irmão do homem voltou no dia seguinte e jogou uma granada na jaula, deixando o leão cego e desdentado. Marjan morreu de velhice em 2002.

Mais conteúdo sobre:
gripe suínainfluenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.