Mel é o 'melhor remédio para tosse', diz estudo

Pesquisa mostrou que líquido natural é mais eficaz do que medicamentos industrializados.

BBC Brasil, BBC

04 de dezembro de 2007 | 09h15

Um estudo realizado por pesquisadores americanos sugere que o mel é o melhor remédio para tosse.Cientistas da Universidade Estadual da Pennsylvania dizem que componentes encontrados no líquido viscoso e açucarado, reconhecido há séculos por suas propriedades terapêuticas, matam micróbios e atuam como antioxidantes.O estudo, publicado na revista especializada Archives of Paediatric and Adolescent Medicine, analisou 105 crianças entre 2 e 18 anos com tosse forte e freqüente durante a noite.Os participantes foram divididos em três grupos. As crianças do primeiro grupo tomaram uma colher de mel, as do segundo, uma de xarope industrializado à base de dextrometorfano (DM) - substância encontrada em vários xaropes existentes no mercado -, e, o terceiro, um medicamento placebo.Todas as doses foram administradas pelos pais 30 minutos antes de as crianças irem para a cama. Os cientistas observaram que as crianças que haviam tomado o mel apresentaram uma melhora significativa na tosse noturna.Um alívio dos sintomas também foi verificado no segundo grupo, porém não tão expressivo quanto no primeiro. As crianças que haviam tomado o placebo não apresentaram melhoras.Ian Paul, professor de pediatria e líder do estudo, disse que a pesquisa vem se somar "à crescente literatura médica que questiona o uso de xarope à base de DM em crianças". "Outros estudos serão necessários, mas esperamos que os profissionais da área de saúde passem a considerar mais o mel como uma alternativa segura, legítima e mais barata para o tratamento da tosse infantil", disse Paul.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
melxaropepesquisaamericanostratamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.