Menino é curado de doença genética que o fazia viver em bolha

Rhys Harris foi diagnosticado aos três anos e sobreviveu graças a um transplante de medula

Efe

04 de junho de 2008 | 20h11

Um menino de sete anos se tornou a primeira criança no Reino Unido a ser curada de uma rara doença genética que o obrigou a viver isolado em uma bolha de plástico durante algumas semanas, anunciaram nesta quarta-feira, 4, a equipe médica que cuidou dele.   Rhys Harris foi diagnosticado como portador do mal conhecido como Nemo ("Nuclear Factor Kappa B Essential Modular", em inglês) quando tinha três anos, e sobreviveu graças a um transplante de medula que o permitiu receber um novo sistema imunológico.   Na época, os médicos alertaram que Rhys poderia não sobreviver por muito tempo, pois a doença atinge o sistema imunológico e leva a contrair uma forma incurável de tuberculose.   Menos de 12 pessoas no Reino Unido têm a doença, que impede o bom funcionamento dos glóbulos brancos.   Os especialistas do Hospital Geral de Newcastle (nordeste da Inglaterra), no qual o menino foi atendido, admitiram que não acreditavam que Rhys tivesse muitas chances de sobreviver.   No entanto, sua recuperação foi possível graças a um transplante de medula ao qual foi submetido em outubro passado, mas que representou primeiro a destruição de sua própria medula através de um tratamento de quimioterapia que o obrigou a viver em uma bolha de plástico esterilizada durante oito semanas.   O transplante foi feito graças a uma medula doada nos Estados Unidos, de acordo com fontes do hospital.   Segundo os médicos de Newcastle, os pais receberam a notícia do sucesso da operação na semana passada.   "Seu novo sistema imunológico deverá estar se reforçando" cada vez mais, disse hoje o pediatra especializado em imunologia Mario Abinun, do hospital.   "Tudo indica, baseando-se nos exames feitos em laboratório, que ele está bem, mas temos que esperar um tempo até o outono" antes de poder dar a ele a alta definitiva, afirmou Abinum.   Os pais do menino, Kevin e Dawn Harris, vindos do País de Gales, decidiram mudar para Newcastle para submeter o filho - que ficou surdo quando bebê por causa de uma meningite - ao tratamento, já que este hospital é pioneiro no assunto.

Tudo o que sabemos sobre:
genéticasaúdeReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.