Jennifer Nicole Reindl/Facebook
Jennifer Nicole Reindl/Facebook

Menino 'ressuscita' após pais autorizarem desligamento de aparelhos

Trenton McKinley ficou inconsciente por dois meses depois que sofreu um acidente de trânsito no Alabama

O Estado de S.Paulo

07 Maio 2018 | 22h28

ATLANTA - Uma criança do Estado do Alabama, nos Estados Unidos, despertou do coma pouco depois de seus pais assinarem os documentos para doar seus órgãos antes de os aparelhos que o mantinham vivo nos últimos dois meses serem desligados.

+++ ‘Estou aqui por milagre. Achei que ia morrer’, diz jovem que teve febre amarela

Trenton McKinley, de 13 anos, ficou inconsciente por dois meses após sofrer um acidente de trânsito quando estava com alguns de seus amigos no condado de Mobile, no Estado do Alabama.

+++ Central de Transplantes de São Paulo faz avançar doação de órgãos

O menino estava em uma carretinha puxada por um trailer na hora do acidente, foi arremessado e sofreu sete fraturas no crânio quando o veículo caiu por cima dele, de acordo com uma emissora local.

+++ Pai faz greve de fome por transplante para o filho

A mãe relatou que temeu o pior após ver o filho em uma maca só com os pés não cobertos por um lençol. Ela havia sido informada que o menino permaneceu morto.

"Quando ele acordou nos disseram que ele nunca voltaria a ser normal outra vez", disse Jennifer Reindl à FoxNews.

Segundo a família, McKinley ficou meses dependendo de suporte vital, praticamente não respirando. Foi quando a família foi abordada sobre a difícil decisão de doar os órgãos do filho para cinco crianças que esperavam por um transplante.

Um dia antes de os médicos desligarem os aparelhos, com a autorização dos pais para doar os órgãos em mãos, o menino mostrou sinais de que pode readquirir consciência.

A família e os médicos classificaram a recuperação do menino como um "milagre". Apesar das adversidades que ele ainda enfrenta, McKinley apresentou grande melhoria desde então.

O menino ainda sofre diariamente com convulsões e perdeu 23 quilos desde o acidente. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.