Arquivo/AE
Arquivo/AE

Menos casos indicam fim da epidemia de dengue no Rio, diz secretário

Segundo dados divulgados, foram registrados 166,3 casos por 100 mil habitantes, o que descaracteriza a situação epidêmica na capital fluminense

Agência Brasil,

29 de maio de 2012 | 13h45

A tendência decrescente do número de doentes de dengue, a partir do mês de abril e início de maio, quando foram registrados 166,3 casos por 100 mil habitantes, descaracteriza a situação epidêmica na capital fluminense, disse o secretário de Saúde do município do Rio, Hans Dohmann. Segundo ele, o número acumulado da doença já chega a 82.680 casos. Desse total, 258 foram registrados na última semana.

“Isso era esperado para essa época do ano. Conforme o período diurno vai diminuindo e a temperatura caindo, o normal é que haja um decréscimo. Foi isso que nós anunciamos em agosto do ano passado. A gente acertou na projeção da curva e, ela está se confirmando agora”, disse.

O secretário anunciou ainda que com o fim da epidemia, os 31 polos de atendimento devem ser desativados gradativamente, dependendo do grau de incidência de cada região. Ele ressaltou que até o final deste mês, os carros fumacê, que nebulizam com inseticida regiões da cidade, devem parar de circular no município. “A gente vai devagar desmobilizando o aparato que foi montado para o atendimento e, já vamos pensando no ano que vem, convidando a população para se manter atenta”.

Segundo o boletim semanal divulgado hoje pela Secretaria Municipal de Saúde, 19 pessoas morreram em decorrência de dengue na cidade. Os bairros que mais registraram casos foram de Bangu, Realengo e Campo Grande, na zona oeste, com 103 notificações. Em seguida aparece a localidade de Madureira e região, com 43 casos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
DenguecasosdiminuiçãoSaúdeVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.