Mesmo com prorrogações, 6,8 mi não tomaram vacina contra gripe

Campanha nacional não atingiu meta do Ministério da Saúde de imunizar 90% do público-alvo de 54,4 milhões de pessoas

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 21h39

Mesmo após passar por diversas prorrogações, a campanha nacional de vacinação contra a gripe não atingiu a meta colocada pelo Ministério da Saúde de imunizar 90% do público-alvo. Segundo dados apresentados pela pasta ontem, só 86,1% dos 54,4 milhões de pessoas que deveriam ter tomado a proteção buscaram os postos de saúde. Com isso, mais de 6,8 milhões de brasileiros dos grupos prioritários deixaram de se vacinar.

Gestantes e crianças tiveram os menores índices de cobertura vacinal, com índice de 73,2% e 73,4%, respectivamente. O público com maior taxa de vacinação foi o de professores, com 100%, seguido pelas puérperas (98,4%), indígenas (93,6%) e idosos (92,8%). 

Considerando os índices por Estado, Roraima e Rio de Janeiro foram as unidades da federação com as menores taxas de imunização. No primeiro, apenas 63% do público-alvo se vacinou. No segundo, esse índice foi de 65,2%. Ceará e Goiás foram os Estados com os maiores índices de vacinação, atingindo mais 100% de cobertura.

Desde a última segunda-feira, os municípios que ainda têm vacinas disponíveis foram autorizados pelo Ministério da Saúde a estender a vacinação também a crianças de 5 a 9 anos e adultos na faixa etária de 50 a 59 anos. 

De acordo com o ministério, somente neste ano foram registrados no País 3.558 casos de gripe, com 608 óbitos. Desse total, 2.124 casos e 399 óbitos foram por H1N1.

Mais conteúdo sobre:
gripe Influenza vacinação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.