México retira alerta sanitário pela gripe A após 14 meses

Em outubro de 2009, havia 216 pessoas hospitalizadas; em 25 de junho deste ano, apenas 22

Efe

29 Junho 2010 | 19h41

MÉXICO - O governo mexicano anunciou nesta terça-feira, 29, a retirada do alerta sanitário pela gripe A(H1N1) após 14 meses, nos quais morreram no país 1.289 pessoas e foram registrados 72 mil casos. A declaração foi feita em entrevistacoletiva pelo secretário da Saúde, José Ángel Córdova Villalobos.

 

A decisão foi adotada na última segunda, por unanimidade, pelo conselho que avalia a epidemia, após comprovar a regressão da doença (a última vítima fatal foi em maio).

 

Em outubro de 2009, havia 216 pessoas hospitalizadas; em 25 de junho, 22. "A circulação do vírus é mínima", disse Córdova.

 

O México não baixará guarda em termos epidemiológicos e conserva ainda 875 mil vacinas. O secretário estimou o custo total da gripe no país em 4,5 bilhões de pesos (US$ 354 milhões) e afirmou que, graças aos acordos com laboratórios, economizou 1,8 bilhão de pesos (US$ 141 milhões) na compra de vacinas.

 

Em 11 de junho, completou um ano desde a declaração de pandemia da gripe suína. No mesmo dia, a OMS publicou um documento no qual mencionou, entre outras ações, que durante a propagação o vírus H1N1 mostrou padrões diferentes dos da gripe estacional, como "altos níveis de infecção durante o verão" em países do Hemisfério Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.