Carlos Jasso / Reuters
Carlos Jasso / Reuters

México confirma quarto caso de coronavírus

O quarto caso é de uma jovem de 20 anos, que chegou ao México em 25 de fevereiro de Milão, na Itália, e está isolada em sua casa

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2020 | 03h46

O número de infectados no México com o novo coronavírus aumentou para quatro nesse sábado, 29, após o caso de uma jovem mulher que viajou para a Itália foi confirmado, assim como os outros três casos relatados anteriormente.

Sem aumentar o número de casos, o governo informou à noite que identificou como "portador" outro indivíduo que não apresentava sintomas e que foram analisados ​​os casos de outras oito pessoas em sete estados.

José Luis Alomía, diretor geral de Epidemiologia, deu detalhes sobre o caso relatado nesse sábado: "Nodia de hoje se soma um quarto caso confirmado. É uma senhora de 20 anos de idade, residente no estado de Coahuila (norte) e suas manifestações clínicas começaram em 27 de fevereiro ".

A jovem chegou ao México em 25 de fevereiro de Milão, na Itália, e está isolada em sua casa, havia dito previamente o governo de Coahuila.

Os outros três casos confirmados anteriormente são homens que viajaram para Bérgamo, na Itália, a trabalho. Dois deles, de 35 anos e 59 anos, estão na Cidade do México, e o terceiro, de 41 anos, está no estado de Sinaloa (norte).

Todos tiveram contato com um local de Bérgamo durante uma convenção que teria contraído o vírus na Malásia.

Em relação ao outro indivíduo que deu positivo para o novo coronavírus em exames laboratoriais, Alomy esclareceu que é "um portador que na época possui colonização, mas não desenvolveu sinais e sintomas".

"O portador continuará seu período de isolamento até completar os 14 dias e, se desenvolver sinais e sintomas, abandonará sua classificação de portador e se tornará um caso confirmado", explicou.

Antes da chegada do coronavírus, as autoridades mexicanas tentaram transmitir tranquilidade. "Não é uma emergência nacional ou de saúde", disse Hugo López-Gatell, vice-secretário de Prevenção e Promoção do Ministério da Saúde, na sexta-feira, 28.

No entanto, os moradores de Sinaloa e da Cidade do México correram para as lojas em busca de produtos que os ajudassem na prevenção.

A população está fazendo "compras de pânico pelo alerta sanitário do coronavírus. Há escassez de máscaras e géis antibacterianos, o que levará a um aumento nos preços na próxima semana", alertou a Aliança Nacional de Pequenos Comerciantes em comunicado.

O vírus matou quase 3 mil pessoas no mundo e existem cerca de 87 mil infectadas. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.