AP
AP

Michelle Obama lança campanha contra a obesidade infantil

Primeira-dama dos Estados Unidos disse que objetivo da ação é eliminar o problema 'em uma geração'

BBC Brasil, BBC

09 Fevereiro 2010 | 18h03

A primeira-dama americana, Michelle Obama, lançou nesta terça-feira uma campanha nacional contra a obesidade infantil com o objetivo de eliminar o problema nos Estados Unidos "em uma geração".

Uma em cada três crianças está obesa ou acima do peso, e gastamos anualmente US$ 150 bilhões tratando males relacionados (à obesidade infantil), portanto sabemos que é um problema e muito está em jogo", disse ela em uma entrevista à rede de TV ABC.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou um memorando autorizando a campanha Let's Move ("Vamos Nos Mover", em tradução livre), encabeçada por Michelle, para aumentar o valor nutritivo de refeições escolares e melhorar o acesso a alimentos saudáveis em áreas mais pobres.

Michelle pediu apoio de todos os setores da sociedade para a campanha, que ainda irá incentivar os pais a matricularem seus filhos em atividades extracurriculares.

A própria primeira-dama fez uma demonstração com bambolê na Casa Branca para incentivar as crianças a se exercitarem.

Filhas

Michelle revelou que seu médico recomendou a diminuição do açúcar nas dietas de suas duas filhas em favor de frutas e vegetais e a diminuição do tempo que elas gastam assistindo TV.

O correspondente da BBC em Washington Steve Kingstone diz que, embora Michelle possa ser criticada por expor publicamente o problema de suas filhas, a primeira-dama acredita que pode influenciar positivamente outros, especialmente americanos mais pobres.

Em sua proposta orçamentária divulgada na semana passada, Obama pediu cerca de US$ 1 bilhão a mais para financiar programas de combate à obesidade infantil.

Nos últimos anos, os índices de obesidade infantil nos Estados Unidos têm se estabilizado, mas permanecem mais altos do que os de outros países. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.