Léo Caldas/Estadão
Léo Caldas/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Surto de microcefalia muda rotina hospitalar em Pernambuco

Estado cria locais para descentralizar atendimento, mas falta apoio para os pais

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2015 | 03h00

RECIFE - Com a filha Yasmin no colo, Camila Ferreira já dava sinais de cansaço. Eram 9 horas da quinta-feira, o movimento dos médicos no Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no Recife, estava ainda engrenando, mas a jornada da mãe e da filha, com suspeita de microcefalia, já tinha começado havia tempo.

Elas saíram de casa às 2h30, pouco antes do horário marcado para a condução da prefeitura de sua cidade, Vitória de Santo Antão, seguir viagem com pacientes que seriam atendidos na capital. “É duro, é cansativo, mas olho do lado e vejo que não estou sozinha”, dizia. A exemplo de Camila, mais 12 famílias aguardavam atendimento de seus bebês no ambulatório de infectologia do hospital, referência para o tratamento de microcefalia no Estado. 

Ali, o movimento é intenso durante toda a semana. No dia anterior, por exemplo, o serviço havia atendido 15 crianças com suspeita da má-formação. 

Há um mês, os registros de microcefalia não chegavam a 50 no Estado. Agora, passam a casa dos 600. A suspeita, em análise, é de que as infecções por zika de alguma maneira ampliam os riscos de microcefalia – em todo o Pais, são 1.248 casos suspeitos. 

A maioria das mães acorda ainda de madrugada para aproveitar o transporte gratuito. Ficam horas à espera do atendimento em hospitais. “A procura explodiu em pouco tempo”, diz a chefe do serviço e professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Angela Rocha. “Procuramos ser ágeis, mas os números cresceram de uma forma que não podíamos imaginar”, constata o diretor de Doenças Transmissíveis da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, George Dimech. 

Descentralização. Diante dessa situação, o governo do Estado decidiu descentralizar o atendimento. A partir desta semana, de dois serviços especializados, Pernambuco passará a contar com 23. “Mas está tudo só começando”, alerta Angela. “As demandas serão inúmeras e, com o tempo, virão mais.”

“A tendência é chegar a uns 2 mil casos até o fim do ano. E nada indica que 2016 será muito diferente. O registro vai continuar”, avalia o pesquisador da Fiocruz Rafael França. 

Diante dessa necessidade, o sistema de saúde terá de ser adaptado. Uma das providências consideradas essenciais é criar programas de acompanhamento psicológico para pais das crianças. Em alguns locais, isso vem sendo feito de forma espontânea. “Mas é preciso mais”, avalia Dimech.

A movimentação no ambulatório na quinta-feira revelava um pouco essa necessidade. Embora repleto de pacientes, o silêncio era marcante na sala de espera. “Não se vê aquele burburinho típico quando se reúnem pais e bebês”, observa Maria Lucia da Silva, que acompanhava a sobrinha no hospital.

Paulo Portela, pai de Helena, que nasceu no dia 5 de outubro, sonha com um serviço de assistência para sua mulher, Nicole. “Ela está mais quieta, chora bastante. Acho que iria ajudar.”

Falando pouco e em um tom quase inaudível, Nicole mostra resistência. “Helena é minha primeira filha. Quando ela nasceu, veio tudo junto: a alegria de ser mãe, o medo da responsabilidade. Sei que toda mãe tem isso, mas imagina o meu caso, com um bebê que tem problemas que nem os médicos sabem direito”, desabafou. “É preciso marcar consulta com oftalmologista, com médico que avalia a audição”, enumera Nicole. Sua maior preocupação é com o neuropediatra. “Vi que essas crianças têm tendência a ter convulsões”, diz. E não havia precisão sobre quando esses exames seriam realizados.

A má-formação foi identificada quando a gestação caminhava para o sexto mês. “Vou fazer de tudo para que ela tenha uma vida feliz. Filho é tudo que a gente deixa nesta vida”, sentencia Paulo, de 21 anos. Quando Nicole, de 22, engravidou, o casal decidiu interromper os estudos. “Acho que agora será por um tempo maior. Tenho de me dedicar à Helena”, afirma Nicole. 

Portela diz que não se incomoda quando as pessoas chegam, curiosas, para ver a bebê. “O que não gosto é da cara de pena que uns fazem. Ela é minha filha e terá todo amor que um pai pode dar.”

Tudo o que sabemos sobre:
microcefaliazikaaedes aegypti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.