Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Mídia internacional repercute suspensão de testes da Coronavac no Brasil

Mídia internacional repercute suspensão de testes da Coronavac no Brasil

Anunciada pela Anvisa na noite desta segunda-feira, 9, paralisação de testes ganhou destaque em veículos de outros países

Carla Menezes, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2020 | 09h15

A suspensão dos testes da vacina Coronavac no Brasil, anunciada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na noite desta segunda-feira, 9, gerou repercussão na imprensa internacional. A paralisação, atribuída pela Anvisa ao registro de um evento adverso grave, surpreendeu a farmacêutica chinesa Sinovac, desenvolvedora da vacina, e o Instituto Butantã, parceiro na produção do imunizante no Brasil. Em entrevista à TV Cultura, o diretor do Instituto, Dimas Covas, confirmou a morte de um voluntário dos testes clínicos, mas afirmou que o óbito não teria relação com a vacina.

O jornal americano The Wall Street Journal destacou a expectativa no Brasil de que a Coronavac poderia se tornar uma das primeiras vacinas aprovadas no País. A publicação ressaltou ainda que a nota da Anvisa não esclareceu por que o órgão demorou mais de uma semana para anunciar a ocorrência do evento adverso, que aconteceu em 29 de outubro. 

A Bloomberg também repercutiu a suspensão dos testes e destacou que esta é a primeira vez que uma das vacinas “rapidamente desenvolvidas” pela China enfrenta um grande contratempo. 

A Al-Jazeera destacou que a Coronavac está no centro de um “jogo político” entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, considerado pela publicação como “um dos adversários mais fortes” do presidente. O texto também destaca que Bolsonaro já se referiu ao imunizante como “vacina chinesa do Doria” e que chegou a dizer que os brasileiros não “seriam cobaias”. 

A CNN ressaltou que não é incomum a paralisação de testes nesta fase dos estudos clínicos e lembrou que, em setembro, a AstraZeneca precisou suspender os trabalhos por um período após registrar uma doença inesperada em um dos voluntários. A reportagem destaca ainda que o anúncio da suspensão aconteceu no mesmo dia que a Pfizer anunciou que o imunizante desenvolvido pela farmacêutica americana apresentou 90% de eficácia em testes preliminares. 

A inglesa BBC disse que os testes da Coronavac na Indonésia, realizados pela empresa estatal Bio Farma, continuam normalmente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.