MARCIO FERNANDES/ESTADAO
MARCIO FERNANDES/ESTADAO

Ministério da Economia libera R$ 19 milhões para Ipen voltar a produzir remédios contra o câncer

Com a verba, órgão federal voltará a importar insumos após suspensão nos trabalhos

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2021 | 21h14

O Ministério da Economia liberou R$ 19 milhões em crédito suplementar para o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), voltar a importar insumos para produzir remédios necessários ao tratamento do câncer, após o órgão ter suspendido o fornecimento para clínicas e hospitais.

De acordo com uma portaria (406/2021) publicada no Diário Oficial da União (DOU), os recursos do Ipen foram liberados juntamente com outras verbas suplementares, envolvendo também o Ministério de Minas e Energia (MME), no valor total de R$ 27,8 milhões.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Coura Filho, no entanto, a verba é insuficiente para a demanda até o fim do ano e mais verbas terão de ser buscadas. O Ipen fabrica 25 diferentes radiofármacos, ou 85% do fornecimento nacional. Para manter a produção, o órgão aguardava a aprovação pelo Congresso Nacional do projeto de lei que adicionaria R$ 34,6 milhões ao seu orçamento. Outros R$ 55,1 milhões estavam sendo buscados pelo MCTI para completar os R$ 89,7 milhões que o instituto precisa para produzir os radiofármacos até dezembro.

O Ipen havia anunciado na segunda-feira aos serviços de medicina nuclear que suspendera temporariamente sua produção, por causa da impossibilidade orçamentária para aquisições e contratações. O órgão importa radioisótopos de produtores na África do Sul, Holanda e Rússia, além de adquirir insumos nacionais utilizados no diagnóstico e tratamento do câncer e doenças cardíacas.

Um dos produtos que teve a sua produção interrompida foi o Tecnécio-99m, radiofármaco utilizado para realização de todos os exames de cintilografia. No Brasil, sua produção é feita exclusivamente pelo Ipen, em virtude de impedimentos constitucionais para que o setor privado possa fazê-lo. Um último carregamento de iodo, muito usado no tratamento do câncer na tireoide, foi entregue na segunda-feira, e o fornecimento de Lutécio 177, usado no tratamento de tumor neuroendócrino, também chegou a ser suspenso.

A falta dos medicamentos poderia atingir cerca de 2 milhões de pessoas. Segundo Coura Filho, o sistema de saúde público e privado atende 10 mil pessoas por dia para tratamento do câncer. Pesquisadores alegam que a situação do Ipen já era de conhecimento das autoridades desde o início do ano, quando aprovaram o orçamento. Na oportunidade, o Ipen informou que só teria recursos até agosto.

Hospitais alegaram ter radiofármacos em estoque, mas temiam pelo desabastecimento a partir da próxima semana, como por exemplo o A.C. Camargo e o Instituto de Radiologia (InRad) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.