REUTERS/Ueslei Marcelino - 08/10/2021
REUTERS/Ueslei Marcelino - 08/10/2021

Ministério da Saúde adia decisão sobre vacinação infantil contra a covid para 5 de janeiro

Segundo Marcelo Queiroga, o prazo seria necessário para que sejam feitas mais ‘análises aprofundadas’ sobre o assunto; nesta sexta-feira, ministro alegou que tema não era ‘consensual’

João Ker, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2021 | 16h19

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou durante coletiva de imprensa neste sábado, 18, que a decisão sobre a vacinação de crianças e adolescentes dos 5 aos 11 anos contra a covid só será anunciada no próximo dia 5 de janeiro. A pasta também vai abrir uma consulta e uma audiência públicas sobre o assunto. Ele afirmou que o prazo é necessário para a Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI) analisar o tema. 

"A vacinação em crianças, no âmbito de uma política pública, requer uma análise mais aprofundada. Não vamos nos precipitar", disse Queiroga, em vídeo publicado nas suas redes sociais. "Este tema precisa ser melhor discutido com a comunidade científica e com toda sociedade."

A imunização de crianças e adolescentes dos 5 aos 11 anos foi aprovada no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na última quinta-feira, quando a autarquia concedeu permissão para que a Pfizer acrescentasse esta faixa etária na bula da sua vacina contra a covid. Um dia depois, Queiroga afirmou que a decisão não era "consensual" e precisaria debatê-la com outros órgãos, como o Conselho Nacional de Justiça. 

"Nós queremos discutir esse assunto de maneira aprofundada, porque isso não é um assunto consensual. Há aqueles que defendem, há os que defendem de maneira entusiástica, há os que são contra, então a gente tem que discutir", disse, em entrevista na porta do ministério.

Neste sábado, o ministro voltou a falar que a decisão tomada pela Anvisa precisa ser verificada "nas suas minúcias". "Nós vamos fazer um procedimento administrativo para avaliar a decisão em todos os seus aspectos, para que, a partir dessa anáise, verificar a implementação dessa decisão no âmbito de uma política pública."

Mesmo com aval da Anvisa, cabe ao governo federal fazer a compra das vacinas pediátricas contra covid e decidir sobre sua inclusão no Programa Nacional de Imunização (PNI). A vacinação de crianças encontra respaldo nas evidências apresentadas até aqui pela Pfizer, que passaram por escrutínio de diferentes agências reguladoras internacionais.

No Brasil, especialistas da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) participaram como consultores externos da análise realizada pela Anvisa e atestaram sobre a segurança e eficácia da imunização nesta faixa-etária.

O aval da Anvisa também foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro, que durante sua live semanal voltou a assumir tom negacionista contra a imunização e ameaçou divulgar "extraoficialmente" os nomes dos servidores responsáveis pela autorização. Há pouco mais de um mês, funcionários da agência foram alvos de pelo menos duas ameaças de morte direcionadas à imunização de crianças. 

Ainda na sexta, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, ordenou que o governo federal anunciasse uma decisão sobre a vacinação nesta faixa etária em 48 horas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.