FERNANDA LUZ/ESTADAO
FERNANDA LUZ/ESTADAO

Ministério da Saúde diz que avaliará “medidas cabíveis" após surtos de covid em cruzeiros

Pasta se manifesta após recomendação da Anvisa de suspender provisoriamente viagens em navios, mas não detalha ações

Julia Affonso, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2022 | 20h02

BRASÍLIA - Após recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pela suspensão provisória da temporada de cruzeiros no País, o Ministério da Saúde informou neste sábado, 1, que "avaliará as medidas cabíveis" a serem tomadas. Dois navios que navegavam pela costa brasileira, o MSC Splendida e o Costa Diadema, tiveram surtos de covid-19 no fim do ano.

Publicada na sexta-feira, 31, a recomendação da Anvisa é baseada no cenário epidemiológico atual, agravado pela chegada da variante Ômicron ao Brasil. No documento, a agência destaca que os dados disponíveis até o momento indicam o potencial de espalhamento da Ômicron, mais rápido do que outras variantes.

A Anvisa também citou a decisão do Centro de Controle e Prevenção de Doença dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês), que aumentou o nível de alerta de contágio do vírus Sars-Cov-2 em viagens. "O CDC, na data de ontem, 30/12, atualizou o nível de alerta "COVID-19 Travel Health Notice" de 3 para 4, o nível mais alto possível, o que reflete o aumento de casos a bordo de navios de cruzeiro desde a identificação da variante Ômicron", observou a agência.

A recomendação da Anvisa também considerou que, mesmo diante de Planos de Operacionalização para a retomada da temporada de cruzeiros no âmbito de Estados e municípios, "tem-se observado dificuldades impostas pelos entes locais diante da necessidade de eventuais desembarques de casos positivos". Os planos estabelecem as condições para assistência em saúde dos passageiros desembarcados em seus territórios e para execução local da vigilância epidemiológica.

De acordo com o Ministério da Saúde, a análise das futuras medidas será feita em conjunto com outras pastas que cuidam do tema. A retomada das operações de cruzeiros no Brasil foi autorizada por uma Portaria Interministerial – Casa Civil, Justiça e Segurança Pública, Saúde e Infraestrutura –, de 5 de outubro, que passou a valer em 1.º de novembro.

"A autorização (...) e a operação de embarcações com transporte de passageiros, nos portos nacionais, fica  condicionada  (sic) à edição prévia de Portaria pelo Ministério da Saúde, que deve dispor sobre o cenário epidemiológico, a definição das situações consideradas surtos de covid-19 em embarcações e as condições para o cumprimento da quarentena de passageiros e de embarcações", diz a portaria.

Os dois cruzeiros tiveram 146 casos confirmados da doença. No MSC Splendida foram identificados 51 tripulantes e 27 passageiros com covid. Já no Costa Diadema houve 68 casos ­– 56 tripulantes e 12 de passageiros.

A Anvisa interrompeu as atividades do Costa Diadema, que estava atracado no Porto de Salvador, na tarde de quinta-feira, 30. A medida foi adotada após uma investigação epidemiológica da agência e de técnicos das secretarias de Saúde da Bahia e de Salvador apontar uma transmissão comunitária de covid, nível 4, na embarcação. 

O cruzeiro terminaria nesta segunda-feira, 3, no Porto de Santos. Passageiros com covid farão isolamento em hotéis oferecidos pela operadora do cruzeiro. Moradores de Salvador foram autorizados a desembarcar. O restante irá para Santos, onde passará por novos testes contra a covid para deixar o navio.

"A embarcação poderá seguir, sob condição de restrições a bordo, para o Porto de Santos. Isso significa que todas as atividades não essenciais no Costa Diadema devem ser interrompidas e que devem ser cumpridos os protocolos sanitários de segurança no interior da embarcação, até seu destino final em Santos", informou a Anvisa. "De acordo com os relatórios da embarcação, dentre os passageiros que testaram positivo para covid-19 a grande maioria é assintomática, com apenas algumas pessoas com sintomas leves."

O MSC Splendida está atracado no Porto de Santos desde quinta-feira, 30. Segundo a Anvisa, "o desembarque dos passageiros ocorrerá de acordo com os protocolos sanitários de segurança".

"Os positivados deverão dar continuidade, em terra, ao isolamento iniciado na embarcação e serão monitorados pelos Centros de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) das cidades de destino", informou a agência. "Os demais passageiros passarão por testes de detecção da Covid-19 antes de desembarcar. O transporte desses passageiros ocorrerá em veículos específicos, a cargo da operadora de cruzeiro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.