JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP
JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP

Ministério da Saúde espera receber 30 freezers para armazenar vacinas da Pfizer

Os equipamentos têm capacidade para armazenamento a -80ºC e serão distribuídos para todos os Estados. São Paulo, Rio e Minas, por serem mais populosos, receberão duas unidades. Novo contrato com a farmacêutica foi fechado nesta sexta-feira

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2021 | 19h30

BRASÍLIA - O governo Jair Bolsonaro espera receber um carregamento com 30 freezers para armazenamento das vacinas da Pfizer nos próximos dias. O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, disse que os equipamentos têm capacidade para armazenamento a -80ºC e serão distribuídos um para cada unidade da federação, com exceção de São Paulo, Rio e Minas Gerais, que, por serem mais populosos, receberão duas unidades.

Nesta sexta-feira, 14, o governo brasileiro concluiu a assinatura do contrato que prevê a entrega de 100 milhões de doses adicionais da vacina Pfizer. Um primeiro contrato com outras 100 milhões já está em vigor e o País recebeu os primeiros lotes da vacina com cerca de 1,6 milhão de doses.

Além disso, de acordo com o secretário, foram abertas negociações com o laboratório chinês Sinopharm para adquirir mais 20 milhões de vacinas. A vacina já teve aprovação para uso emergencial e é uma das que entregam o Covax Facility, consórcio internacional de vacinas administrado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo Cruz, o novo contrato com a Pfizer prevê a entrega das novas doses de outubro a dezembro, mas o laboratório sinalizou que poderá antecipar a entrega de 30 milhões deste novo carregamento em setembro.

Nos novos freezers, é possível armazenar a vacina por até 6 meses. Além disso, o governo brasileiro espera uma resposta da FDA, a agência de vigilância americana, a um pedido feito pela Pfizer de autorização para o uso das vacinas do laboratório até 30 dias após o descongelamento. Atualmente a vacina pode ficar até duas semanas em freezers com -15 a -25 graus celsius e até cinco dias descongelada.  

“A Pfizer já avançou nos estudos e identificou que a vacina é estável por até 30 dias após descongelamento e protocolou pedido para o FDA se manifestar sobre essa possibilidade. Com 30 dias será bem fácil (a logística de distribuição no Brasil)”, completou Cruz.

O secretário disse que vem conversando com todos os laboratórios para antecipar, se for possível, a entrega de vacinas já contratadas. Uma das apostas também é a troca de vacinas com países que já têm estoque o suficiente – principalmente os Estados Unidos – e que têm entregas previstas agora. A ideia é convencer esses países a entregarem as doses para o Brasil e receberem as que o País tem contratada para o futuro.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, chegou a indicar em maio que o Brasil pode estar entre os países que irão receber doses da vacina contra covid-19 que será compartilhada pelos americanos. Os EUA anunciaram que irão destinar 60 milhões de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca a outras nações. Até agora, porém, não foi feito nenhum compromisso nesse sentido.

Coronavac

De acordo com o secretário, o governo já conseguiu “zerar” a falta de doses para a aplicação da segunda dose da vacina Coronavac nos Estados. “Pedimos um levantamento para todos os Estados e municípios e o déficit era de dois milhões de doses. Mandamos quatro milhões. A orientação do ministério é que, quando for dada uma D1 (primeira dose), se guarde a vacina para a D2 (segunda dose) nos casos da Coronavac e da Astrazeneca, por segurança”, completou. 

Tudo o que sabemos sobre:
Pfizer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.