Erasmo Salomão/ Divulgação
Erasmo Salomão/ Divulgação

Ministério usa app de encontro para falar de aids e outras DSTs com gays

Ação, em parceria com Unaids e Unesco, será desenvolvida com o aplicativo Hornet, que tem no Brasil mais de 1 milhão de inscritos

O Estado de S. Paulo

29 Julho 2016 | 14h21

O Ministério da Saúde lançou nesta sexta-feira, 29, uma campanha de educação sexual para os usuários do Hornet, um aplicativo de relacionamento voltado para o público gay, com o objetivo de divulgar durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos orientações sobre o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis.

Com a campanha, batizada de Close Certo, colaboradores capacitados pelo Ministério da Saúde ficarão de plantão no Hornet, entre os dias 1.º de agosto e 18 de setembro, e passarão aos usuários do aplicativo informações sobre prevenção, diagnóstico, acesso à profilaxia e ao tratamento do HIV/Aids. 

Segundo o ministério, o Hornet tem mais de um milhão de usuários no Brasil e a campanha deverá atingir de 5 mil a 7 mil deles. A campanha foi criada em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) e com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

“A proposta é levar informação confiável e acessível a todos aqueles que navegam no aplicativo Hornet. Como a média de idade da população do aplicativo no Brasil é de 25 anos, estaremos atingindo o público jovem e de homens que fazem sexo com homens – uma das populações-alvo em nossas ações de prevenção”, disse Adele Benzaken, diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério. 

O projeto envolve 18 jovens promotores de saúde, sendo três tutores e 15 colaboradores, segundo o Ministério. Todos já são usuários do Hornet e terão seus perfis sinalizados com a marca do projeto Close Certo e com um laço azul, que indicará aos usuários do aplicativo que eles são voluntários participantes do Close Certo. 

A iniciativa não terá nenhum custo para a pasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.