Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Ministério da Saúde vai repassar R$ 160 milhões para tratar covid longa

Pasta anunciou que verba poderá ser usada para busca ativa, diagnóstico e tratamento de casos pós-covid e orientação da população sobre o tema

Julia Affonso, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2022 | 13h04

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira, 16, que vai repassar cerca de R$ 160 milhões para o atendimento de pessoas com sintomas pós-Covid. A pasta calcula que cerca de 10 milhões de pacientes já tenham sido afetados por esta condição no País.

O valor poderá ser aplicado no reforço da Atenção Primária nos municípios e no Distrito Federal. Dentre as ações propostas pelo Ministério da Saúde estão, por exemplo, a busca ativa, o diagnóstico, o tratamento e o monitoramento de casos de covid longa e a orientação da população sobre o tema.

Os sintomas mais comuns da covid longa, segundo a Saúde, são cansaço, falta de ar aos esforços, tosse, dor torácica, perda de olfato e paladar, cefaléia, alterações de memória, déficit cognitivo, ansiedade e depressão. A pasta definiu como covid longa as "manifestações clínicas novas, recorrentes ou persistentes presentes após a infecção aguda por SARS-CoV-2 quando estas não são atribuídas a outras causas".

"Considerando o número de casos confirmados de aproximadamente 27 milhões até novembro de 2021, estima-se que cerca de 8,5 milhões de indivíduos poderão apresentar ao menos uma condição pós-covid. A gente sabe que esse número é maior, com certeza passa de 10 milhões de pessoas", disse o secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara Medeiros Parente.

Como o Estadão mostrou, ainda há poucos estudos sobre essa condição, mas o tema preocupa médicos, cientistas e a Organização Mundial da Saúde (OMS). Calcula-se que um em cada cinco pacientes de covid-19 podem desenvolver a covid longa.

Para diagnosticar que uma pessoa tem a covid longa (ou condição pós-covid), a OMS estipula que os sintomas devem durar três meses após a infecção. Parte dos médicos e pesquisadores, porém, chama de covid longa a presença de sintomas por prazo até menor do que este. 

Durante o anúncio da portaria que vai liberar o repasse de R$ 160 milhões, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que está havendo "uma estabilização do número de casos da variante Ômicron, com uma tendência de queda". 

"A média móvel de óbitos ainda é uma média móvel em torno de 800 casos por dia", disse. "Se nos lembramos da variante gama, houve dias com mais de 3 mil casos de média."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.