Ministério recomenda suspensão de vacina em crianças alérgicas

Governo confirmou que 28 crianças tiveram reações adversas após receberem dose da tríplice viral; no AM, campanha foi interrompida

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

19 Novembro 2014 | 17h06

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira, 19, que 28 crianças tiveram reações adversas depois de receberem a vacina tríplice viral produzida pelo laboratório Serum Institutte of India Ltda. Todas passam bem.

Diante dessa constatação, a pasta recomendou que secretarias estaduais e municipais evitem usar o produto em crianças que tenham alergia a leite de vaca.  Análises feitas na composição da vacina Serum identificaram a presença de lactoalbumina hidrolisada - componente que pode desencadear a reação alérgica. A recomendação do Ministério é que crianças com hiper-sensibilidade ao leite não sejam vacinadas nesta etapa.

Nesta quarta, a Secretaria do Amazonas determinou a suspensão temporária de campanha de vacinação, que havia sido iniciada dia 8 e se estenderia até dia 28.  Em Manaus, quatro crianças apresentaram reações anafiláticas. De acordo com o ministério, todas já estão recuperadas.

O Serum Institutte of India Ltda. é pré-qualificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O Ministério da Saúde informou que todos os lotes da vacina tríplice viral que estão em uso no País, incluindo os do Serum Institute, passaram por análise no Instituto de Qualidade em Saúde (INCQS). Todas estão aprovadas para uso.

Com o registro dos 28 casos de reações adversas, no entanto, uma nova análise deverá ser feita. A tarefa, desempenhada pelo Ministério da Saúde em conjunto com Organização Pan-Americana de Saúde (responsável pela aquisição do produto), será identificar se há alguma associação entre os problemas apresentados pelas crianças e a aplicação da vacina da Serum. 

Embora tenha feito essa recomendação para alérgicos, o Ministério da Saúde procurou reforçar a necessidade de que as demais crianças sejam vacinadas com a tríplice viral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.