Ministério suspende venda de leite de quatro empresas

São atingidas pela medida três cooperativas e duas unidades da Parmalat, em Minas e Goiás

Fabíola Salvador, Agência Estado

02 de novembro de 2007 | 16h37

O Ministério da Agricultura suspendeu nesta sexta-feira, 2,  a comercialização de leite integral fornecido por três cooperativas e duas unidades da Parmalat no País. A interdição é por tempo indeterminado.   O processo de adulteração do leite Autoridades não confirmam interdição de unidade da Parmalat   A medida vale para a Cooperavale, de Uberaba, e para a Casmil, de Passos, ambas de Minas Gerais. As duas cooperativas estão envolvidas no escândalo da adulteração do leite.   Há duas semanas, a Polícia Federal deflagrou a Operação Ouro Branco e desarticulou uma quadrilha de Minas Gerais que adicionava substâncias químicas - soda cáustica e água oxigenada - nos lotes de leite.     A interdição afeta ainda a Cooperativa Avipal, que fica em Itumbiara, em Goiás, e duas unidades da Parmalat, uma em Santa Helena, em Goiás, e a outra em Carazinho, no Rio Grande do Sul.     A decisão foi tomada depois que técnicos do Ministério da Agricultura avaliaram e verificaram que o leite integral produzido nessas empresas está fora dos padrões de comercialização. A assessoria de imprensa do ministério não especificou quais são irregularidades, mas disse que elas podem envolver excesso de água, açúcar, soro ou níveis excessivos de alcalinidade nos lotes.

Tudo o que sabemos sobre:
ouro brancoleite adulteradoleite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.