Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Ministro da CGU defende cloroquina e diz que tomará remédio se ficar doente

Wagner Rosário firmou que a decisão de utilizar o medicamento é individual e que tomará o medicamento caso seja contaminado pelo novo coronavírus

Marlla Sabino e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2020 | 16h49

BRASÍLIA - O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, afirmou que a decisão do presidente Jair Bolsonaro em aumentar a disponibilidade da cloroquina, por meio da produção do medicamento pelo exército, foi "acertadíssima". Mesmo sem eficácia comprovada, o governo federal tem estimulado o uso da droga para tratamento precoce da covid-19

Durante audiência pública na comissão mista que fiscaliza as ações do governo em relação à pandemia nesta terça-feira, 14, o ministro afirmou que a decisão de utilizar o medicamento é individual e que tomará o remédio caso seja contaminado pelo novo coronavírus.

"Se alguém conseguir apontar para mim o que está comprovado com relação ao covid, a gente só faz o que está comprovado. Eu, se tiver covid, vou tomar cloroquina. Eu acho a decisão do presidente é acertadíssima", disse.

O Ministério Público do Tribunal de Contas da União (MPTCU) pediu, em 18 de junho, abertura de investigação sobre possível superfaturamento na produção de cloroquina no Brasil, além da responsabilidade do presidente ao orientar aumento da produção. Bolsonaro também é alvo de representação à Procuradoria Geral da República (PGR). 

"A discussão agora é política, cabe ao Tribunal (de Contas da União) indicar o que deveria ser feito. Eu já sei o que eu faria: eu vou tomar o remédio, quero que o remédio esteja lá, acho que o governo fez corretamente", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.