André Dusek/AE
André Dusek/AE

Ministro da Saúde confirma casos de superbactéria em SP e PR, além do DF

Secretarias negam surto de KPC, resistente a antibióticos, e falam em ocorrências isoladas

Julia Baptista, do estadão.com.br

20 Outubro 2010 | 19h29

SÃO PAULO - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou na tarde desta quarta-feira, 20, que há casos confirmados de infecção hospitalar causado pela superbactéria Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC) em São Paulo, Paraná e Distrito Federal.

No entanto, as secretarias Municipal e Estadual da Saúde de São Paulo e a Secretaria de Estado da Saúde do Rio de Janeiro informaram que não receberam nenhuma notificação de surto de infecção hospitalar causado pela KPC na rede pública de saúde.

Segundo os dois órgãos, as unidades de atendimento não têm obrigação de notificar casos isolados, apenas surtos - quando há o registro de no mínimo duas ocorrências da doença no mesmo local e período.

A Secretaria da Saúde de Minas Gerais enviou um alerta técnico aos profissionais do Estado. No comunicado, informa que "as medidas de prevenção e controle devem ser estabelecidas pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH)".

Entre as medidas de prevenção e controle recomendadas estão: identificar precocemente o paciente com infecção; isolar essas pessoas de contato até a alta médica; acomodá-las em quarto privativo quando possível ou em quarto com paciente que apresenta infecção pelo mesmo microrganismo; higienizar as mãos e usar luvas e avental; limpar e desinfetar superfícies, equipamentos e artigos; e restringir visitas.

A nota informa ainda que "os casos deverão ser notificados à Vigilância Sanitária de seu município ou às Gerências Regionais de Saúde, por meio do formulário de notificação (Ficha de Investigação de Surtos) preenchido pelo profissional de saúde".

Desde o início da semana, o número de casos suspeitos de contaminação pela bactéria resistente a antibióticos KPC no Distrito Federal subiu de 108 para 135. Desse total, 48 pacientes permanecem internados em 16 hospitais, dos quais nove são públicos e sete, privados. A informação é da Secretaria de Saúde do DF. No Hospital de Base de Brasília (HBB), há 23 casos de KPC. As pessoas que desenvolveram a infecção são doentes graves da terapia intensiva, da neurocirurgia ou politraumatizados.

Segundo o diretor do HBB, Carlos Schmin, essa superbactéria, que surgiu em 2000 nos Estados Unidos, é hoje uma preocupação mundial. De acordo com ele, o micro-organismo está presente tanto em hospitais públicos como privados, em vários Estados brasileiros. “O Pronto-Socorro do Hospital de Base recebe diariamente de 6 mil a 7 mil pessoas, o que aumenta o risco. Temos reforçado o cuidado com a higienização e impedido o contato com pacientes suspeitos para evitar novos contágios”, afirmou.

Mais conteúdo sobre:
superbactériaSPRJsurto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.