SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Ministro da Saúde diz que envio de cubanos ao Brasil será retomado

49 cidades que incentivaram profissionais a entrar na Justiça foram descredenciadas do Mais Médicos

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2017 | 14h36

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse esperar que o governo cubano retome o envio de profissionais para o programa Mais Médicos, interrompido há um mês. Em um gesto para ganhar confiança de Cuba, a pasta determinou o descredenciamento do programa de 49 municípios que incentivaram profissionais a entrar na Justiça para garantir sua permanência no Brasil.

A participação de profissionais cubanos no Mais Médicos será discutida em uma reunião entre a vice-ministra de Cuba, técnicos do Ministério da Saúde e Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), marcada para esta tarde, em Brasília.

"O envio será retomado. Tiramos do programa os municípios que estavam incentivando médicos cubanos a permanecer no Brasil. E o governo cubano se mostrou satisfeito com a medida", disse Barros. 

A punição para prefeituras que incentivavam cubanos a permanecer no programa à revelia da vontade de Cuba foi definida há duas semanas, em uma reunião entre Ministério da Saúde, conselhos de secretários estaduais e municipais.

A estratégia foi considerada como um poderoso argumento para convencer o governo do país da América Central a manter o convênio, renovado no ano passado, para o envio de profissionais. Em abril, Cuba suspendeu o envio de 710 médicos para o programa, em uma reação ao aumento expressivo de liminares concedidas na Justiça garantindo a permanência de cubanos que ficaram mais de três anos no programa. Foram ao menos 80.

A determinação para o descredenciamento deve continuar. Há duas semanas, a informação era a de que pelo menos 55 municípios incentivaram médicos de Cuba a ingressar na Justiça para continuar no País. As prefeituras notificadas do descredenciamento poderão apresentar defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.