Joédson Alves/ EFE
Joédson Alves/ EFE

Queiroga transfere fim de vacinação de 'prioritários' de maio para setembro

Cerca de 77 milhões de pessoas constam como prioridade no Plano Nacional de Imunização. 'Nosso objetivo é que isso (vacinação) ocorra antes (de setembro)', disse Marcelo Queiroga nesta quarta-feira. Cronograma de doses não foi atualizado

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2021 | 18h35

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira, 21, que todos os grupos prioritários só devem estar imunizados em setembro. O médico não havia ainda apresentando previsões de vacinação de cerca de 77,2 milhões de pessoas que constam nas prioridades do Plano Nacional de Imunização (PNI), mas o ex-ministro Eduardo Pazuello, no mês passado, disse que esta etapa poderia ser superada em maio. Neste grupo estão pessoas acima de 60 anos, com outras doenças -- diabetes ou hipertensão, por exemplo -- e grupos de trabalhadores essenciais, como professores e forças de segurança.

"O processo de vacinação do Brasil tem ocorrido de forma cada vez mais célere. Se continuar nesse ritmo, até setembro, pode-se atingir a imunização da população prevista no PNI. Nosso objetivo é que isso ocorra antes", disse Queiroga à imprensa.

O governo federal tem alterado previsões de datas para imunizar grupos prioritários. Em dezembro, o ministério esperava ter imunizado 50 milhões - volume do grupo prioritário à época - em 3 meses após o começo da campanha. Em março, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse que metade da população apta a receber a vacina seria imunizada no primeiro semestre. O restante, até o fim do ano. 

Mais de 3 meses após o começo da vacinação no Brasil, 24,8 milhões de pessoas receberam a primeira dose, segundo dados da Saúde. Como mostrou o Estadão, o ministério não atualiza o cronograma de entrega de vacinas desde 19 de março. O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, na terça-feira, 20, que o governo detalhe o cronograma de entrega das vacinas em até cinco dias. Queiroga disse que irá apresentar os dados dentro do prazo.

Queiroga atribuiu as mudanças nos calendários de entrega de vacina e de imunização aos atrasos de fornecedores. O ministro citou que o consórcio Covax Facility "não nos entrega o que foi acordado". Ainda lembrou atrasos na chegada de insumos para a fabricação das doses no Butantan e na Fiocruz.

O ministro também confirmou que a Saúde negocia mais 100 milhões de doses da vacina da Pfizer, mirando a campanha de imunização de 2022. O governo já fechou a compra do mesmo volume para este ano, após meses negando ofertas da farmacêutica. 

Questionado se há previsão de antecipar a entrega de doses, Queiroga pediu aos jornalistas que não busquem apenas "problemas" na campanha de imunização do País -- e não respondeu à pergunta. "A gente está aqui para dar solução. Fica com essa coisa de 'contando doses da vacina'. Vamos vacinar a população brasileira. Estamos aqui trabalhando e vocês são testemunhas disso", afirmou o ministro.

O governo chegou a apresentar cronogramas inviáveis de entrega de vacinas, somando 20 milhões de doses da Covaxin, desenvolvida na Índia, quando o produto nem sequer tinha certificações exigidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Após diversos recuos, a gestão Queiroga ainda não apresentou uma previsão de entrega das doses até o fim do ano.

Kit intubação

O ministro Queiroga disse que a "fase mais crítica" da escassez de medicamentos usados na intubação de pacientes em UTI e de oxigênio medicinal está perto do fim. Queiroga também declarou que o País vive uma "estabilização (da doença), embora com número ainda elevado de óbitos". Sem dar detalhes, Queiroga afirmou que há tendência de queda de óbitos e redução hospitalar em algumas regiões do País.

A Saúde também informou que ainda irá receber doações de medicamentos de intubação da indústria, do governo espanhol. A pasta também promete abrir uma compra destes produtos com fornecedores nacionais e internacionais.

Novo tratamento

Queiroga afirmou que o Ministério da Saúde pedirá a incorporação do coquetel REGN-COV2 à rede pública. A decisão final é da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), que avalia critérios como custo, efetividade do produto e público-alvo do tratamento.

O ministro não deu prazo para a análise, pois a decisão cabe ao órgão. O prazo para análises deste tipo é de até 180 dias. O produto custa mais de R$ 10 mil nos Estados Unidos.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na terça-feira, 20, o uso emergencial deste tratamento, que reúne os anticorpos produzidos em laboratório casirivimabe e imdevimabe (cujos nomes originais são, respectivamente, casirivimab e imdevimab). O coquetel é destinado a casos leves e moderados com resultado positivo em laboratório para o novo coronavírus e "que possuem alto risco de progredir para formas graves da doença", como idosos de 65 anos ou mais e pessoas do grupo de risco. O uso será restrito a hospitais, com venda proibida no comércio e em farmácias, e é destinado a pacientes que não estão internados e que não necessitam de suplementação de oxigênio de alto fluxo ou ventilação mecânica.

Queiroga disse que ainda há discussões pendentes sobre o tratamento, como qual será o preço ofertado ao Brasil. O ministro afirmou que irá conversar com a fabricante Roche e citou a possibilidade de buscar preços mais baixos por meio de acordos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.