Ministros se reúnem na OPS para analisar doenças como H1N1

Organização pretende acertar políticas que permitam tratar em conjunto os assuntos da saúde na região

Efe,

28 de setembro de 2009 | 14h30

Os ministros americanos de Saúde se reúnem nesta segunda-feira, 28, em Washington na Organização Pan-Americana da Saúde (OPS) para acertar políticas que permitam tratar de maneira conjunta os assuntos da saúde na região como a gripe A.

 

Veja também:

especial ESPECIAL: Entenda a gripe suína

especial ESPECIAL: Perguntas e respostas sobre a gripe

 

Está previsto que a diretora geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, inaugure o que será o 49º Conselho Diretor da OPS e a 61ª sessão do Comitê Regional, que será realizada na capital americana até o dia 2 de outubro.

 

Além da gripe A, na agenda dos ministros estão outras doenças infecciosas relacionadas com a pobreza, assim como os desafios que devem enfrentar seus países para conseguir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

 

A secretária do Departamento de Saúde e Serviços Sociais dos Estados Unidos, Katheleen Sebelius, dará as boas-vindas aos ministros em nome do país anfitrião junto com a diretora da OPS, Mirta Roses, que posteriormente apresentará o relatório de atividades da organização.

 

O propósito desta reunião é de acertar novas políticas de decisão que tratem os problemas críticos de saúde desta região, indicou a OPS em comunicado.

 

Como conseguir uma atenção primária de saúde, uma política de nutrição para a população e a infraestrutura necessária para ter hospitais seguros também estarão no centro do debate.

 

O programa também inclui outros aspectos como a saúde dos adolescentes, a igualdade de gênero, a doação e o transplante de órgãos humanos, a saúde familiar e comunitária.

 

A OPS é o escritório regional para América da Organização Mundial da Saúde e trabalha com os países-membros para melhorar a saúde e elevar a qualidade de vida de seus habitantes.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.