Divulgação/ESA
Divulgação/ESA

Missão a 'Marte falso' se prepara para abrir escotilha nesta sexta

Os seis tripulantes do experimento Mars500 sairão do módulo após 520 dias de isolamento

Estadão.com.br com agências,

03 de novembro de 2011 | 14h19

A tripulação do experimento inédito que simula uma missão de 520 dias a Marte está em contagem regressiva para a abertura da escotilha, que acontece nesta próxima sexta-feira, 4. Os seis voluntários - três russos (dois médicos e um engenheiro), um astronauta chinês e dois engenheiros da Agência Espacial Europeia (ESA), um francês e um italiano -, estão trancados desde 3 de junho do ano passado no módulo de 160 metros quadrados, localizado nos arredores de Moscou.

 

O objetivo da missão experimental Mars500, que custou 15 milhões de dólares, é investigar quais seriam os efeitos, para o organismo humano, de uma viagem ao planeta vermelho. A pergunta é: será que as pessoas poderiam suportar o estresse de uma viagem de mais de seis meses para Marte? Para tentar descobrir a resposta, os tripulantes saem da cápsula e vão direto para uma bateria de exames médicos específicos.

A equipe simulou uma caminhada pela superfície do planeta vermelho em fevereiro deste ano, após 257 dias de viagem. Na ocasião, eles saíram da nave em pesados trajes espaciais e se dirigiram a uma sala coberta de areia onde colocaram bandeiras para marcar a chegada.

Os seis voluntários não estão expostos à microgravidade (ausência de peso) ou radiação solar, mas vivem como se estivessem realmente em um voo espacial. Eles consomem rações alimentares especiais e tomam banho de chuveiro a cada dez dias. A equipe também enfrenta comunicação com o mundo exterior, que funciona com atraso de 20 minutos, e ocasionais falta de energia e falhas de improviso. Tudo serve de teste para ver como eles lidam com os problemas.

Vídeos colocados no blog do projeto mostram os rapazes comendo uma espécie de mingau congelado, cheios de eletrodos durante a hora da ginástica e do cochilo, e jogando Wii ou brincando de karaokê para espantar o tédio.

Autoridades espaciais dizem que a tecnologia espacial existente ainda está a décadas de distância de ser capaz de levar astronautas ao planeta vermelho. No entanto, a Nasa já anunciou orçamento de 10 milhões de dólares para construir um foguete espacial gigante que deverá seguir para além da órbita baixa da Terra a partir de 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.