Divulgação/MSD
Divulgação/MSD

Molnupiravir: Anvisa recebe pedido de uso emergencial de pílula contra covid-19

MSD solicitou uso emergencial da pílula antiviral à agência brasileira. Remédio atua contra a replicação do coronavírus no corpo e obteve resultados iniciais satisfatórios

Ítalo Lo Re, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2021 | 10h08
Atualizado 26 de novembro de 2021 | 15h37

A farmacêutica americana Merck Sharp & Dohme (MSD) solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta sexta-feira, 26, o uso emergencial do Molnupiravir, pílula antiviral de via oral desenvolvida pela farmacêutica em parceria com a Ridgeback Biotherapeutics. O remédio atua prevenindo a replicação do coronavírus e tem demonstrado ser eficaz no tratamento da covid-19.

A Anvisa é a quinta agência regulatória do mundo a receber o pedido de uso emergencial do medicamento, segundo a MSD. “Isso mostra claramente o compromisso da MSD com o Brasil e reforça a relevância do País para a companhia”, informou a farmacêutica.

O medicamento já foi submetido a órgãos como a FDA (Estados Unidos), a EMA (União Europeia) e a Agência Japonesa de Produtos Farmacêuticos e Dispositivos Médicos. No início deste mês, o Molnupiravir recebeu aval da agência reguladora do Reino Unido e tornou-se o primeiro tratamento de via oral aprovado no mundo.

O remédio age induzindo mutações na enzima RNA-polimerase do Sars-CoV-2 conforme o material genético do vírus é replicado. Desse modo, ele consegue enfraquecer o vírus e diminuir os danos causados ao corpo. Por ser administrado por via oral, a expectativa é que seja mais acessível que outros medicamentos.

Ainda não há resultados científicos definitivos, mas a farmacêutica divulgou resultados de um estudo de fase 3 que apontaram que o remédio tem potencial de reduzir em cerca de 30% o risco de hospitalização ou morte de pacientes com covid-19. Para isso, ele deve ser administrado logo nos primeiros dias após o início dos sintomas.

A análise avaliou dados de 1.433 de pessoas que participaram do estudo clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo de fase 3. O estudo incluiu sete centros de pesquisa no Brasil: três em São Paulo (dois na capital e um em São José do Rio Preto), um no Distrito Federal (Brasília), um em Minas Gerais (Belo Horizonte), um no Paraná (Curitiba) e um no Rio Grande do Sul (Bento Gonçalves).

Em nota, a Anvisa confirmou o recebimento do pedido da MSD e informou que os dados do estudo serão revisados pela agência. O prazo de avaliação para o uso emergencial de medicamento contra a covid-19 é de até 30 dias. Esse período não considera, contudo, o tempo em que o processo pode ficar em status de exigência técnica, que é quando o laboratório precisa responder questões feitas pela agência. 

Conforme mostrou o Estadão nesta sexta, com o avanço da vacinação, está ganhando força a corrida para tratar a doença. Ao lado do Paxlovid, remédio desenvolvido pela Pfizer, o Molnupiravir é uma das pílulas antivirais que tem demonstrado maior potencial.

Fiocruz

A MSD informou que está em "conversas avançadas" com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) desde janeiro deste ano para definir um modelo de cooperação técnica por meio do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz).

As negociações em andamento, acrescenta a farmacêutica, incluem a possibilidade de estudos futuros para avaliar o antiviral no enfrentamento de outras infecções virais, como dengue e chikungunya.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.