Moradores de cidade paulista são desafiados a reduzir colesterol em três semanas

Projeto vai fornecer acompanhamento nutricional e programa de atividade física para habitantes de Santo Antônio do Pinhal

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2014 | 20h37

Com o auxílio de médico, nutricionista e educador físico, a população inteira de uma cidade do interior de São Paulo será desafiada a reduzir seus níveis de colesterol em três semanas.

A iniciativa faz parte de um projeto já realizado em outros países do mundo desenvolvido pela empresa Unilever em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia. No Brasil, o município escolhido foi Santo Antônio do Pinhal, cidade de cerca de 7 mil habitantes localizada na região do Vale do Paraíba.

Por três dias, a partir de sexta-feira, 1º, os moradores da cidade poderão medir seus níveis de colesterol e glicemia, pressão arterial, peso e circunferência abdominal. Aqueles que forem identificados com índice de gordura no sangue acima do recomendado terão acompanhamento nutricional semanal e programa diário de atividades físicas e receberão um kit com alimentos, dicas e receitas para seguir a dieta.

Uma das propostas é incorporar na alimentação itens com fitosteróis, componente presente em vegetais que auxilia na eliminação do colesterol ruim (LDL), um dos principais fatores de risco para a ocorrência de doenças cardiovasculares.

Ao final das três semanas, todos repetirão os exames para avaliar o impacto dessas mudanças em sua saúde e verificar se houve redução no colesterol.

“A ideia é mostrar que não há idade para começar a prevenção. Estudos mostram que, independentemente da idade, há redução de mortalidade por doença cardiovascular quando há mudanças nos hábitos de vida”, diz José Rocha Faria Neto, presidente do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Enfarte, Acidente Vascular Cerebral (AVC) e outras doenças do tipo são responsáveis por mais de 350 mil mortes por ano no Brasil. “O ideal é que o governo investisse mais em prevenção primária. É mais barato fazer prevenção do que tratar as complicações decorrentes das doenças”, defende o médico.

Em Santo Antônio do Pinhal, um em cada sete habitantes têm algum fator de risco para doenças cardiovasculares, como hipertensão ou colesterol alto. De acordo com o prefeito do município, Clodomiro Correia de Toledo Junior, o projeto pode ajudar a mudar alguns hábitos alimentares locais.

“Metade da nossa população vive na zona rural, então exercício físico não é o problema. A questão é que ainda há a cultura de comer muita comida gordurosa, carne de porco. É difícil mudar esses hábitos”, diz ele.

Para o prefeito, o projeto poderá mudar essa mentalidade por meio de exemplos de sucesso. “Como é uma cidade pequena, tudo acontece no boca a boca. Pode ser que nem todos queiram participar do desafio de redução do colesterol. Mas quando um contar para o outro os resultados, vai acabar estimulando mais gente a comer melhor e a fazer exercício”, diz ele.

Nos seis países que já receberam o projeto, 89% dos participantes do programa tiveram redução no colesterol.

Mais conteúdo sobre:
colesterol santo antônio do pinhal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.