Divulgação
Divulgação

Morango protege estômago de danos do álcool

Mucosa de animais que ingeriram extrato da fruta teve menos lesões, diz pesquisa

Efe,

24 de outubro de 2011 | 18h56

Espanha - Uma equipe de pesquisadores italianos, sérvios e espanhóis confirmou o efeito protetor dos morangos no estômago de um mamífero prejudicado pelo álcool, informou nesta segunda-feira, 24, a Universidade de Granada, na Espanha, que participou do estudo.

 

Os cientistas forneceram etanol (álcool etílico) para cobaias de laboratório e comprovaram que a mucosa gástrica daquelas que tinham ingerido previamente extrato de morango sofria menos lesões.

 

A pesquisadora da Universidade de Barcelona e co-autora do trabalho Sara Tulipani explicou que os efeitos positivos dos morangos são associados à capacidade antioxidante, que ativa as próprias enzimas e defesas do organismo.

 

As conclusões do trabalho mostram que uma dieta rica em morangos pode exercer um efeito benéfico na prevenção de doenças gástricas, de modo que esta fruta poderia atenuar a formação de úlceras estomacais em humanos.

 

A gastrite ou inflamação da mucosa do estômago além de se relacionar com o consumo de álcool, também pode ser gerada por infecções e pela ação de remédios antiinflamatórios não-esteroides (como a aspirina).

 

"Nestes casos ingerir morangos durante ou depois da patologia poderia aliviar a lesão na mucosa gástrica", sugeriu Maurizio Battino, coordenador do grupo de pesquisa da Universidade Politécnica da Marche, na Itália.

 

A equipe detectou menos úlceras nos estômagos dos ratos que, antes de receber o álcool, tinham ingerido durante dez dias extrato de morangos (40 miligramas ao dia por quilo de peso).

 

Segundo Battino, o trabalho não foi desenvolvido para atenuar os efeitos de uma bebedeira, mas para encontrar moléculas protetoras da mucosa gástrica.

Tudo o que sabemos sobre:
morangoálcoolantioxidante

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.