Antony Njuguna/Reuters
Antony Njuguna/Reuters

Mortalidade pela Aids cai para menor número desde 1995, diz ONU

Índice de 2,2 milhões de mortes por ano, nos países de baixa e média renda, diminuiu para 1,8 milhões em 2010; segundo Unaids, dado positivo se deve à ampla oferta de novas drogas

Reuters,

21 de novembro de 2011 | 10h42

Nunca houve tanta gente vivendo com o vírus da Aids, mas isso se deve à oferta mais ampla de medicamentos que mantêm os pacientes vivos e bem por muitos anos, segundo um relatório anual divulgado nesta segunda-feira, 21, pelo programa da ONU para o combate à doença (Unaids). A mortalidade pela Aids, que chegou a ser de 2,2 milhões de indivíduos por ano em meados da década passada, caiu para 1,8 milhão no ano passado. 

Cerca de 2,5 milhões de mortes foram evitadas em países de baixa e média renda desde 1995 graças ao lançamento e distribuição de novas drogas, segundo a Unaids. Essa tendência se intensificou nos últimos dois anos. Michel Sidibe, diretor da agência, disse que 2010 foi "o ano da virada" na luta contra o vírus HIV. 

"Nunca havíamos tido um ano com tanta ciência, tanta liderança e tantos resultados", disse Sidibe por telefone à Reuters. "Mesmo nesta época de crises nas finanças públicas e incertezas sobre verbas, estamos vendo resultados. Estamos vendo mais países do que nunca (alcançando) reduções significativas em novas infecções e estabilizando sua epidemia."

Desde o início da pandemia de Aids, na década de 1980, mais de 60 milhões de pessoas já foram contaminadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), que causa a Aids. Coquetéis de drogas conseguem controlar o vírus durante vários anos, mas não há cura nem vacina preventiva.

O relatório diz que o número de soropositivos no mundo subiu de 33,3 para 34 milhões de pessoas entre 2009 e 2010. Dos 14,2 milhões de pessoas que deveriam estar em tratamento nos países de baixa e média renda, 6,6 milhões (47 por cento) estão efetivamente recebendo os remédios. Em 11 países subdesenvolvidos, o acesso ao tratamento já é universal (ou seja, com cobertura de pelo menos 80 por cento).

Em 2009, havia 15 milhões de pessoas precisando de tratamento, mas só 36% tinham acesso.

A Unaids informou ainda que o maior acesso a drogas está resultando também em uma menor taxa de contaminações. Vários estudos científicos já apontavam que a oferta mais disseminada dos tratamentos deveria reduzir a proliferação do vírus.

 

Em 2010, surgiram 2,7 milhões de novos casos de contaminação pelo HIV, o que é 21% a menos do que no auge da pandemia, em 1997.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
AidsmedicaçãosaúdeVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.